De Bem com a Vida: ‘Sabático da terceira idade’

0
98
‘Sabático da terceira idade’:quem são as pessoas com mais de 60 que tiram um ano para curtir a vida

Dois anos atrás, o australiano Chris Herrmann colocou todos seus pertences em um depósito, comprou uma passagem de volta ao mundo e partiu com uma mochila nas costas por 12 meses. Ele passou três deles aproveitando o ritmo festeiro da cidade espanhola de Valência, depois viajou pela América Central e do Sul e completou seu ano sabático no Sudeste Asiático.

Foi uma experiência fantástica – ainda que nunca a tenha planejado, diz ele.

Sua mulher, com quem viveu por quatro décadas, havia morrido no ano anterior e tirar esse tempo para viajar parecia a escolha certa.

“Eu vi o quão fugaz a vida pode ser. A jornada dela tinha terminado, mas a minha ainda continuava”, diz ele. “Queria ser desafiado, só para ver o que aconteceria.”

Chris Herrmann
Direito de imagem CHRIS HERRMANN/ARQUIVO PESSOAL. Após ficar viúvo, o australiano Chris Herrmann decidiu tirar um ano inteiro para viajar pelo mundo; a experiência virou um livro

Em Valência, na Espanha, Herrmann, agora com 64 anos, alugou um apartamento e fez novos amigos em atividades por meio de grupos de encontros on-line. Mas quando se lançou nesse mochilão de um ano, se hospedou em albergues, geralmente com um público muito mais jovem.

Essa troca de experiências foi um pouco assustadora, confessa ele.

Mas o ex-empresário diz ter se inspirado pela nova geração, principalmente por sua confiança em desbravar o mundo e sua curiosidade cultural.

E foram as conversas, mais do que lugares, que deixaram sua marca.

Na Guatemala, Herrmann ouviu moradores compartilhando opiniões sobre a guerra civil. Em um barco da Colômbia para o Panamá, passageiros mais jovens debateram com ele a legalização das drogas.

Ele diz ter achado toda a experiência “energizante”. “Acho que, a partir do momento em que você tem uma experiência fora de sua zona de conforto, o próximo passo se torna menos desafiador”, diz ele.

Mulher mais velha no mar
Agências se especializaram em oferecer sabáticos para pessoas mais velhas. Direito de imagem GETTY IMAGES

A indústria da terceira idade

Tradicionalmente, são os estudantes universitários que costumam tirar um período sabático, muitas vezes combinando viagens, voluntariado e trabalho temporário.

Esses anos sabáticos acontecem de forma um pouco diferente em alguns países. No Reino Unido, por exemplo, muitos jovens fazem essa pausa antes de ir para a universidade, enquanto na Austrália e na Nova Zelândia, algumas pessoas esperam terminar o curso superior para viajar.

Nos EUA, os sabáticos são menos comuns e mais estruturados – os alunos tendem a procurar estágios formais e programas de voluntariado. Mas o objetivo é basicamente o mesmo – explorar experiências de vida novas e valiosas para ajudar na transição do que vem a seguir.

Mas à medida em que os baby boomers, a geração nascida após a Segunda Guerra Mundial, começaram a ressignificar o sentido de aposentadoria, surgiu a ideia de um ano sabático voltado para a chamada terceira idade.

Sites de aposentadoria, prestadores de serviços financeiros, de viagens e de seguros estão cheios de conselhos para quem tem mais de 60, seja oferecendo ajuda para gerenciar gastos ou para identificar as melhores opções de destinos.

É difícil quantificar o quão popular é o chamado ano sabático da terceira idade globalmente – mas certamente há muito dinheiro a ser feito.

O grupo de pesquisa Mintel estimou o tamanho da indústria mundial desses sabáticos em 5 bilhões de libras (equivalente a US$ 6,6 bilhões ou R$ 24,3 bilhões, em valores atuais) em 2005 e previu que atingiria 11 bilhões de libras em 2010.

Desde então, os números não passaram por uma atualização e isso acontece em parte, diz Will Jones, editor-chefe da filial britânica do site Gapyear.com, por causa das amplas interpretações do conceito de fazer uma “pausa”.

“O termo ‘ano sabático’ é usado como uma descrição abrangente para praticamente qualquer tipo de viagem que exceda os limites típicos de férias. E para qualquer tipo de tempo gasto fora daquele da vida cotidiana”, diz. “Isso faz com que a tentativa de determinar o tamanho da indústria seja complicada: um ano sabático significa tantas coisas diferentes para tantas pessoas diferentes e nem sempre envolve passagens de avião.”

Dados recentes, no entanto, continuam a mostrar um claro apetite dos mais velhos por viagens mais longas.

Casal idoso descansa na piscina
Tirar sabáticos mais curtos pode ser melhor para alguns. Direito de imagem GETTY IMAGES

Idealização da juventude

Pesquisadores do Charter Savings Bank identificaram que 40% dos trabalhadores entrevistados no Reino Unido no levantamento da companhia queriam tirar um ano sabático ou fazer uma viagem mais longa após a aposentadoria.

Em 2016, pesquisadores australianos descobriram que 77% dos idosos buscavam diferentes tipos de férias. Na lista, apareciam em primeiro aqueles com perfis “mais ativos”, “mais distantes”, “mais sociáveis” e “mais aventureiros” (quase metade desses entrevistados era ou aposentado ou em transição para a aposentadoria).

Embalar as aspirações de viagem desses sessentões como um ano sabático explora uma “idealização da juventude” que pode ser atraente, diz Paul Higgs, professor de sociologia do envelhecimento da UCL (University College London).

Os baby boomers criaram a cultura jovem, acrescenta ele, e têm a sensação de que não há limite de idade para isso. “O que você realmente está vendo é a mercantilização ou a projeção de outro aspecto da cultura jovem na vida futura.”

A odisseia de Chris Herrmann pode ter seguido um modelo de ano sabático razoavelmente “tradicional”, mas as vantagens de possuir mais de 60 anos – como ter mais tempo, mais dinheiro guardado e experiência – podem permitir aos viajantes mais velhos também darem uma guinada em sua vida durante o ano sabático.

O casal australiano Prue e Steve Wright, que vive em Sydney, aproveitou a flexibilidade de suas carreiras (ela é psicóloga clínica e ele, professor) e do passaporte britânico de Prue para trabalhar enquanto estavam fora de casa. Eles alugaram um apartamento em Londres, encontraram um novo emprego e agora frequentemente viajam nos finais de semanas.

Usando companhias aéreas de baixo custo e Airbnb, os Wright visitaram destinos como Itália, Islândia, Marrocos e Suíça.

A experiência foi planejada para durar seis meses, mas acabou chegando a quase dois anos. Eles usaram suas economias para bancar algumas partes da viagem.

“Acho que você tem que planejar financeiramente como vai pagar por essa viagem, e tivemos sorte de termos empregos que pagavam muito bem”, diz ela.

Prue e Steve Wright
O casal Prue e Steve Wright largou a vida na Austrália para passar um tempo em Londres; de lá, os dois conseguem trabalhar e fazer viagens regulares nos fins de semana. Direito de imagem ARQUIVO PESSOAL/BBC

Folga mais curta

Tirar sabáticos mais curtos pode ser melhor para alguns.

Holly Bull, do Centro para Programas Provisórios, uma consultoria de ano sabático, oferece esse tipo de serviço a pessoas mais velhas.

Ela prefere usar a frase “intervalo”, em vez de sabático, porque descreve com mais precisão o que seus clientes de faixa etária mais avançada estão fazendo. Essas pausas têm maior apelo para a sua clientela entre 50 e 60 anos, diz.

Isso porque alguns podem ter um companheiro ou companheira que não se aposentou ou talvez não possa pagar para ficar fora um grande período de tempo. Alguns tiram um ano todo e outros fazem pequenos intervalos.

Uma vantagem, afirma Bull, é que as pausas menores permitem que as pessoas experimentem diferentes atividades para ver se é isso mesmo o que vão querer na aposentadoria.

“[Essas pausas] são uma ótima maneira de fazer essa transição – pode ajudar as pessoas a dar um passo em direção a encontrar algo que realmente as anime”, diz ela.

Mulher mais velha no computador
Pequenas pausas podem ajudar a repensar aposentadoria. Direito de imagem EVA-KATALIN/GETTY IMAGES

Encontrando novos propósitos

Bull assessorou Mark Schmitt, 56 anos, em sua decisão de tirar oito meses de folga.

Casado e pai de três funcionários de uma multinacional, ele trabalhava desde os 22 anos de idade.

Mas sua filha mais nova acabara de terminar a universidade, estava trabalhando havia cinco anos sem parar, e seu pai tinha morrido.

“Precisava de uma pausa e aquele momento era bom”, diz.

Desde que seu “sabático” começou em março, ele viajou pelo noroeste do Pacífico, visitou a Alemanha e a Tanzânia, se voluntariou em um castelo escocês e fez escaladas.

Depois que o furacão Florence atingiu os Estados da Carolina do Norte e do Sul, nos Estados Unidos, Schmitt também passou duas semanas como voluntário da Cruz Vermelha, em um grupo composto por 80% de aposentados.

Ali, conheceu um ex-CEO de banco que combinou o voluntariado com passeios de barco no Mississippi e um almirante aposentado que fazia várias missões voluntárias todo ano.

“Isso me deu a oportunidade de ver o que estava sendo feito, de pensar fora da minha zona de conforto e do que você faz tendo uma vida com um propósito.”

Outro lado

Depois desse sabático, Schmitt planeja voltar ao trabalho, embora provavelmente de maneira menos intensa. Ele diz que o tempo de folga o ajudou a ver as coisas de maneira mais ampla.

Uma grande prioridade de sua pausa, diz, era passar tempo com a família e os amigos. Mas também “me dar ideias de como eu poderia viver meus próximos 30 anos”.

Herrmann, o australiano que viajou pelo mundo, desenvolveu uma nova paixão durante seu ano sabático, começando com um blog sobre suas viagens.

O blog se transformou em um livro, My Senior Gap Year (Meu Ano Sabático Mais Velho, em tradução livre), publicado no início do ano passado.

Ele também está trabalhando em uma plataforma online que orientará as pessoas que querem “viver como um morador local”, como fez em Valência, além de incluir informações gerais sobre viagens independentes para idosos.

Herrmann diz acreditar que há forte demanda por esse tipo de serviço e quer que as pessoas mais velhas saibam que têm opções além de cruzeiros e de excursões em grupo.

Também planeja ajudar a resolver as preocupações que elas possam ter sobre como tirar um ano sabático.

“Tive todos esses medos, inúmeras razões pelas quais achava que não deveria tirar um ano sabático. ‘Estou velho demais, estou viajando sozinho’. Mas dessa vez minha voz interior me disse: ‘Cale a boca e siga em frente’.”

Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site BBC Capital.

Crédito: Philippa Fogarty da BBC News – disponível na internet 14/01/2019

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!