PEC visa fazer do IBGE, Ipea e Instituto Anísio Teixeira instituições de Estado

0
72
@divulgação/contilnet noticias

Uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) de autoria da senadora Leila Barros (Cidadania-DF) e apresentada ao senado pretende tornar entidades como o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, e o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), como instituições permanentes de Estado. A PEC já tem as assinaturas necessárias para tramitar no Senado.

A justificativa da senadora para sua proposta decorre de essas entidades serem responsáveis pela produção de estatísticas nacional da qualidade da educação e de outras políticas públicas. A proposta também define ritos para a indicação de seus dirigentes.

Atualmente, as entidades são ligadas aos ministérios da Economia (no caso do IBGE e do Ipea) e da Educação (no caso do Inep) e, portanto, os presidentes das instituições são indicados pelos ministros. Pela proposta de Leila Barros, os indicados para dirigirem tais instituições, se aprovada sua proposta, passariam pela aprovação do Senado.

“O que temos visto como tendência recorrente nas últimas décadas, e que nos últimos três anos tem se agravado, é uma grande instabilidade, ingerência política e descontinuidade administrativa em entidades produtoras de informações oficiais”, escreveu Leila na justificativa da proposta. “Isso tem afetado as instituições responsáveis por disponibilizar informações oficiais e estratégicas para o funcionamento do Estado brasileiro”, completou.

Para poder tramitar no Congresso, uma PEC precisa ser apresentada por um terço dos parlamentares, seja da Câmara ou do Senado. Neste caso, assinaturas de senadores vêm sendo recolhidas desde junho e hoje foi atingido o número mínimo com a adesão dos senadores petistas Humberto Costa (PE) e Jean Paul Prates (RN).

Crédito: Tião Maia/contilnet noticias @internet 11/09/2021]


PEC que torna IBGE, Inep e Ipea instituições de Estado avança no Senado

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que torna entidades como o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) instituições permanentes de Estado conseguiu a quantidade de assinaturas necessárias para tramitar no Senado.

O projeto de senadora Leila Barros (Cidadania-DF) define como Instituições permanentes de Estado as entidades responsáveis pela produção das estatísticas nacionais, das avaliações nacionais da qualidade da educação e das avaliações das políticas públicas. A proposta também define ritos para a indicação de seus dirigentes.

O projeto de senadora Leila Barros (Cidadania-DF) define como Instituições permanentes de Estado as entidades responsáveis pela produção das estatísticas nacionais, das avaliações nacionais da qualidade da educação e das avaliações das políticas públicas. A proposta também define ritos para a indicação de seus dirigentes.

Além do IBGE, a PEC também afeta o Inep (Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) e o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

Atualmente, as entidades são ligadas aos ministérios da Economia (no caso do IBGE e do Ipea) e da Educação (no caso do Inep) e, portanto, os presidentes das instituições são indicados pelos ministros.

“O que temos visto como tendência recorrente nas últimas décadas, e que nos últimos três anos tem se agravado, é uma grande instabilidade, ingerência política e descontinuidade administrativa em entidades produtoras de informações oficiais”, escreveu Leila na justificativa da proposta. “Isso tem afetado as instituições responsáveis por disponibilizar informações oficiais e estratégicas para o funcionamento do Estado brasileiro”, completou

Para evitar a descontinuidade e a desqualificação das informações oficiais, é necessário construir uma proteção legal mais robusta para essas entidades, no mesmo modelo das Agências Reguladoras e do Banco Central, o que significa lhes conferir autonomia técnica, administrativa, financeira, orçamentária e patrimonial.” Leila Barros (Cidadania-DF) em PEC

Para poder tramitar no Congresso, uma PEC precisa ser apresentada por um terço dos parlamentares, seja da Câmara ou do Senado. Neste caso, assinaturas de senadores vêm sendo recolhidas desde junho e hoje foi atingido o número mínimo com a adesão dos senadores petistas Humberto Costa (PE) e Jean Paul Prates (RN).

Crédito: UOL São Paulo – @ disponível na internet 11/09/2021

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!