De Bem com a Vida: Para que serve a vitamina K, da coagulação ao envelhecimento saudável

0
161
A história da vitamina K (Prêmio Nobel em 1943) está intimamente ligada à coagulação @reuters

Que não sangremos até a morte quando somos feridos ou que os tecidos se recuperem quando danificados por um agente externo são duas das funções básicas da vitamina K.

Apesar de ser menos conhecida do que a vitamina C ou D, ela pode conter o segredo do envelhecimento saudável.

Vitaminas não são chatas

Agora pode nos parecer que estudar vitaminas é uma coisa chata, mas há cem anos elas estavam na crista da onda científica. O nome “vitamina” foi proposto pelo bioquímico Casimir Funk em 1912. Ele o usava para se referir a substâncias essenciais na dieta, em pequenas quantidades, para manter a saúde.

Do isolamento da tiamina (vitamina B1) em 1910 ao do ácido fólico em 1941, o estudo dessas substâncias foi um campo muito ativo na química e na fisiologia. Os Prêmios Nobel de 1929, 1930, 1934, 1937, 1938 e 1943 foram concedidos pela identificação e descrição das funções de diferentes vitaminas.

Especificamente, a história da vitamina K (Prêmio Nobel em 1943) está intimamente ligada à coagulação. O nome deriva do dinamarquês “koagulation” e da vitamina proposta anteriormente, sendo a vitamina J (flavina), agora renomeada como vitamina B2. Foi descoberto ao detectar na dieta uma substância com efeito anti-hemorrágico, ou seja, impedia o sangramento.

Pouco tempo depois, descobriu-se a presença de substâncias na forragem do gado que produziam o efeito contrário nos bovinos: os animais começaram a sangrar espontaneamente.

Quando esses compostos pró-hemorrágicos foram isolados, observou-se que sua estrutura era semelhante à vitamina K. Isso levou ao seu uso na medicina como os primeiros anticoagulantes orais para prevenir coágulos sanguíneos. São o que chamamos de antivitamina K, como o acenocumarol (o popular Sintrom®), que agem competindo com a vitamina K.

Como a vitamina K atua?

Embora o efeito dessa vitamina na coagulação fosse conhecido desde a década de 1950 e a antivitamina K fosse usada, foi somente na década de 1970 é que realmente começamos a entender como ela funciona.

A vitamina K é necessária para modificar a estrutura de alguns aminoácidos que compõem algumas proteínas (menos de vinte tipos) que chamamos de “proteínas dependentes da vitamina K”. Dentre eles, destaca-se a protrombina, que é o regulador central da cascata de coagulação.

A modificação na qual a vitamina K intervém é irreversível e dá origem a um novo aminoácido chamado ácido gama-carboxiglutâmico. Este aminoácido é capaz de capturar íons de cálcio como uma pinça. A combinação da proteína com o cálcio permite que ela tenha funções especiais, incluindo a ligação à parte externa das membranas celulares ou a determinados receptores celulares, dependendo da concentração de cálcio.

Os mamíferos não são os únicos animais que usam vitamina K. Indo um pouco mais longe na evolução, o molusco Conus textile usa neurotoxinas dependentes de vitamina K para caçar suas presas. E embora a concha da foto pareça inofensiva, tome cuidado, pois mais de trinta envenenamentos fatais foram descritos por causa de suas picadas.

Sistemas de reparação de tecidos dependentes de vitamina K

Para nós que trabalhamos nessa área, foi uma surpresa quando, na década de 1990, foi isolada uma nova proteína dependente de vitamina K, muito semelhante às proteínas da coagulação, capaz de ativar uma família de receptores celulares relacionados a esses de hormônios, de crescimento.

Essa proteína, GAS6, e sua parceira na regulação da coagulação, a proteína S, são capazes de ajudar as células do sistema imunológico a recuperar os tecidos danificados.

Seu mecanismo de ação é explicado em dois tempos. O que eles fazem para regular a inflamação é ajudar a eliminar as células que estão em processo de morte irreversível e a regenerar novas células. Nossos estudos mostraram que, além disso, induziam fibrose em órgãos como o fígado, um processo muito importante para responder a danos químicos e nutricionais, como álcool, certas dietas ou substâncias tóxicas.

Danos nas células que compõem nossos órgãos, acumulados ao longo dos anos de vida, fazem parte do processo de envelhecimento. Portanto, sistemas de reparo como os representados por essas proteínas dependentes de vitamina K aumentam em importância com o passar dos anos.

Para manter o envelhecimento saudável, vários cientistas propuseram aumentar a ingestão de vitamina K em idosos. Isso pode prevenir a calcificação dos vasos, melhorar a saúde óssea e fortalecer os sistemas de reparo tecidual.

Na verdade, as deficiências de vitamina K são muito raras em humanos e ocorrem principalmente em recém-nascidos, pois a vitamina K dificilmente atravessa a barreira placentária.

Por este motivo, ao nascer a deficiência é compensada com o fornecimento de uma dose de vitamina K para evitar possíveis sangramentos, o que é raro, mas com consequências devastadoras. Na Europa é feito há mais de 50 anos para quase todos os recém-nascidos.

Mais espinafre, repolho e acelga

Em adultos, as deficiências de vitamina K ocorrem apenas quando há distúrbios de absorção intestinal. Isto porque a própria flora intestinal produz os precursores da vitamina K, pelo que uma alimentação variada é suficiente para cobrir a necessidade diária deste micronutriente.

Porém, para essas novas funções relacionadas ao envelhecimento, como a redução da osteoporose e da calcificação dos vasos, aumentar a ingestão de vitamina K por meio do consumo de alimentos ricos nela (espinafre, acelga, couve e vegetais de folhas verdes em geral) poderia melhorar a saúde .

E embora ainda haja muito a ser investigado, parece que a essas vantagens adicionaríamos a manutenção dos sistemas de reparação e regulação da inflamação.

Crédito: Pablo García de Frutos / The Conversation, BBC News Brasil – @ disponível na internet 22/05/2023

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!