Unimed-Rio poderá exigir aporte de R$ 347 milhões de cooperados. MP intervém em Niterói para garantir atendimento da Unimed Leste Fluminense.

2
1780

A nova diretoria da Unimed-Rio, que será eleita em assembleia hoje, poderá exigir dos médicos da cooperativa um aporte que, segundo fonte que acompanha de perto o plano de recuperação da empresa, chegaria a R$ 347 milhões. Assim, os 5.423 cooperados teriam de contribuir com cerca de R$ 64 mil cada um. A cooperativa, que há quase dois anos passa por uma crise financeira e institucional, está sob a direção fiscal da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), desde 2015.

Outra pessoa a par do processo diz que o aporte poderia ser feito de diferentes formas:

— Pode-se negociar um aporte em dinheiro, aumento nos descontos feitos nos procedimentos pagos aos cooperados (remuneração dos médicos) ou até por parceiro investidor.

A expectativa de credores e órgãos públicos é que, decidido quem assumirá o comando da cooperativa hoje, acordos comecem a ser fechados para o pagamento de débitos — que, segundo números oficiais, chegam a R$ 600 milhões —, e o plano de recuperação decole.

GARANTIA DE ATENDIMENTO A CLIENTES

Ontem o Ministério Público de Niterói precisou intervir para garantir que fosse mantido o atendimento aos cerca de 50 mil dos 950 mil clientes da cooperativa que vivem na região coberta pela Unimed Leste Fluminense: Niterói e arredores. A cooperativa sediada do outro lado da Baía de Guanabara havia comunicado, na última sexta-feira, a seus cooperados e à rede prestadora que suspenderia o atendimento aos beneficiários da Unimed-Rio. A suspensão pegou de surpresa até a Promotoria.

— Tivemos uma reunião com o presidente da Unimed Leste Fluminense hoje (ontem) e pedimos que aguarde a eleição da nova diretoria para tomar uma atitude. Ele nos garantiu o atendimento normal até a próxima segunda-feira, dia 29. Amanhã (hoje), será a vez de conversamos com os representantes de hospitais, clínicas e laboratórios para que honrem o compromisso firmado pela cooperativa — explica o promotor Augusto Lopes, do Ministério Público de Niterói.

Em nota, a Unimed Leste Fluminense confirmou que, por solicitação do Ministério Público, “decidiu revogar a orientação anterior quanto à suspensão de atendimento aos beneficiários da Unimed-Rio, até o desfecho da eleição dos novos representantes legais daquela operadora.”

A dívida da Unimed-Rio com a Leste Fluminense, segundo a Promotoria, é de R$ 36 milhões. Cerca de 30% dos atendimentos feitos pela Leste Fluminense são a beneficiários da cooperativa carioca.

A Unimed-Rio ratificou que o atendimento está mantido e normalizado. E lembrou que “vive um processo de restruturação econômico-financeira e vem mantendo diálogos permanentes com a rede prestadora a fim de estabelecer termos que agradem aos interesses de todas as partes envolvidas.” Ainda segundo a nota oficial da cooperativa, “a nova diretoria eleita terá o compromisso de manter em andamento todas as negociações com a Unimed Leste Fluminense e com os demais parceiros da rede prestadora.”

O fato é que, quase um mês depois da derrubada da diretoria da Unimed-Rio — comandada por Celso Barros, há quase duas décadas —, os cooperados ainda não se entendem. O movimento de oposição 3ª Via, liderado pela médica Ana Clara Sande, chegou a pensar em embargar a eleição, por considerar que, mais uma vez, o processo não foi democrático nem transparente. O grupo questiona, ainda, a gestão do Conselho Provisório da Unimed-Rio, liderado por Antônio Romeu Scofano Junior, que é candidato a uma vaga na diretoria.

CONSUMIDORES INSEGUROS

Enquanto a situação institucional e financeira da empresa não se resolve, os consumidores manifestam preocupação. A publicitária Lucia Diuana, ao tentar marcar uma consulta para a filha no Hospital dos Olhos, em Niterói, ontem, foi informada de que o atendimento estava suspenso.

— Tentei marcar em outras clínicas, mas a resposta era a mesma: não estavam atendendo mais os planos da Unimed-Rio — conta Lucia, que se tornou cliente, em 2008, quando a carteira da Caarj foi absorvida pela cooperativa.

Com uma consulta marcada para amanhã, Rita Oliveira de Araújo, também moradora de Niterói, já foi alertada pela secretária do médico de que o plano pode não ser aceito:

— Vou fazer a consulta de qualquer forma, pois estou precisando, mas estou muito decepcionada e insegura. E as minhas necessidades são básicas, imagina quem tem questões mais complexas.

Crédito: O Globo – disponível na web  23/08/2016

2 Comentários

    • O sindicato está , como sempre, atuando no gerenciamento do contrato com a Unimed-Rio.
      Continuamos a prospectar o mercado para disponibilizar uma alternativa de operadora de plano de saúde aos nossos associados. Você tem alguma sugestão concreta para nos ajudar neste sentido? Continuamos a contar com sua valiosa ajuda.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.