Por um novo pacto nacional.

0
553

Cabe a nós, cidadãos, sindicalistas, estudantes, empresários, a nós que precisamos e queremos um país forte e pulsante, nos debruçar sobre os rumos que nosso país tem tomado e assumir uma atitude propositiva sobre o futuro.

Entre os anos de 2003, até meados de 2013 um pacto desenvolvimentista que, grosso modo, aliava trabalhadores e o setor produtivo, promoveu o crescimento da economia e do emprego no Brasil. Mas, como efeito da crise mundial, o esfriamento da economia e a mudança da matriz econômica para um perfil mais liberal, levaram ao rompimento da cooperação entre as classes. Vimos enfraquecer o mercado interno e aumentar desemprego e o empobrecimento da população.

Tentativas de reverter esta situação, como o acordo esboçado pelas centrais sindicais e líderes empresariais no documento “Compromisso pelo desenvolvimento”, em dezembro de 2015, não tiveram condições de prosperar em meio à crise política.

Mas seus ideais ainda estão no ar. Nosso atual desafio passa pela retomada da aliança entre trabalhadores e burguesia industrial.

Neste sentido, na última terça-feira (22), as centrais sindicais se reuniram com a Fiesp, Abimac, Fecomércio, entre outras entidades empresárias, para construir uma pauta comum pelo desenvolvimento econômico e pela geração de emprego.

Além de iniciativas como esta, precisamos também incentivar propostas que resgatem a ideia de Nação brasileira, já que a atual crise nos afeta espiritualmente.

Propostas como o Manifesto Pela União Nacional, lançado em julho de 2017 pelo ex-ministro Aldo Rebelo, que busca superar divisionismos políticos e sociais e a “enganosa dicotomia entre Estado e mercado” e propõe “a união de amplas forças políticas, econômicas e sociais” para a “afirmação nacional” e “superação da crise atual”, e como o Projeto Brasil Nação, lançado em abril de 2017 pelo economista Luiz Carlos Bresser-Pereira, que propõe repensar o país sob os pilares da democracia, liberdade, desenvolvimento e diminuição da desigualdade.

Cabe a nós, cidadãos, sindicalistas, estudantes, empresários, a nós que precisamos e queremos um país forte e pulsante, nos debruçar sobre os rumos que nosso país tem tomado e assumir uma atitude propositiva sobre o futuro.

Artigo publicado na página do DIAP – disponível na internet 24/08/2017

Nota: O presente artigo não traduz necessariamente a opinião do ASMETRO-SN. Sua publicação tem o propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.