Óleo de soja é vendido como azeite por 9 marcas; saiba como não cair em golpes

2
1855
O Ministério da Agricultura comunicou à Associação Brasileira de Supermercados (Abras) a proibição de comercialização de nove marcas vendidas como azeite de oliva extra virgem, mas, que na verdade, são óleo de soja.   
 
O advogado Igor Marchetti, do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), explicou como identificar o golpe.  
 

Em primeiro lugar, explica que é preciso verificar se há uma mistura de óleos na embalagem. “Muitas vezes na lista de ingredientes aparece o óleo vegetal. Isso é um indicativo de que o produto não é extra virgem”, explicou Marchetti. 

Além de observar o rótulo e até mesmo se o óleo está turvo, leve em consideração o tempo de colheita da azeitona utilizada naquele produto. “Normalmente o tempo de colheita de azeitona para azeites extra virgem é de seis meses, no máximo. Prazos muito longos tendem a ser misturas”.   

O consumidor também pode ser ressarcido se já comprou o produto, abriu e consumiu. “Se consumidor verificou que aquele produto está na lista dos produtos que não deveriam ser comercializados, pode ir ao supermercado e exigir, com a nota fiscal, a devolução do valor”, prosseguiu.

É possível ainda fazer uma reclamação na secretaria de vigilância sanitária do seu município para que todas as medidas sejam tomadas, como reembolso e eventuais problemas de saúde sejam reparados.

Assista e leia também:

Ministério da Agricultura proíbe venda de 9 marcas de azeites; veja quais são

Caso dos azeites proibidos: como evitar armadilhas na hora de comprar?

Crédito: Leonardo Lellis/CNN Brasil – disponível na internet 26/11/2020

2 Comentários

  1. Nada de novo no horizonte, parece notícia requentada. Óleo de soja no lugar de azeite, soja na carne de boi, Maizena no requeijão, álcool, combustível adulterado, despadronizacão quantitativa, volumes fraudados, da exemplos diários que nos mostram a necessidade do controle estatal de metrologia legal colocando abaixo os conceitos de livre mercado, auto supervisão das empresas, e consumo consciente do cidadão desprotegido. Os conceitos em que a metrologia legal foi idealizada ( no mundo) levou em conta a natureza, a competitividade duvidosa e fraudulenta do mercado, como forma de ludibriar a sociedade. O be-a-bá e a definição da metrologia legal mostram sua necessidade no controle quotidiano nas transações comerciais e na disponibilização de produtos a venda ao público sem os atributos indicados.

  2. Na década de 80 o Inpm/Inmetro comprava azeite de oliva em vários estados. Esse óleo era examinado pelo CETEC MG – espctografo de massa. Com o tempo sabíamos até o local de origem apenas pelos resultados. O interessante é que os azeites de determinado país eram todos, sem exceção, fraudados : óleo de soja e de caroço de uva.

Deixe uma resposta para Luiz Fernando Mirault Pinto Cancelar Resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!