Butantan confirma entrega de 6 milhões de doses da Coronavac à União. MS exige todo o estoque da vacina

0
139
O Instituto Butantan enviou nesta sexta-feira (15) um ofício ao Ministério da Saúde confirmando o repasse ao governo federal de 6 milhões de doses da Coronavac, a vacina contra a Covid-19 produzida pela entidade em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Na mensagem a Roberto Dias, diretor de Logística em Saúde do Ministério, o Butantan informa o faturamento das doses requisitadas mais cedo pela pasta, como noticiou o colunista da CNN Caio Junqueira.

O ofício enviado pela entidade ligada ao Governo de São Paulo questiona o Ministério da Saúde sobre a data de início de uma campanha de vacinação contra a Covid-19 no país, ainda não anunciada pelo governo federal.

A Fundação Butantan, gestora do Instituto, ainda pergunta quantas das 6 milhões de doses serão direcionadas ao Estado de São Paulo. Como é de praxe nas vacinas produzidas pelo Butantan em São Paulo, a parcela direcionada à população paulista já é entregue diretamente à secretaria estadual de Saúde do estado.

A diretoria colegiada da Anvisa se reúne neste domingo (17) para analisar o pedido de uso emergencial da vacina, pedido pelo Butantan.

Primeira opção do governo federal para iniciar a imunização, a vacina de Oxford também será avaliada pela agência, mas há perspectiva de atraso na disponibilização depois que a Índia pediu ao Brasil que não enviasse já um avião que iria ao país buscar 2 milhões de doses do imunizante.

Crédito: Guilherme Venaglia/CNN – @internet 16/01/2021


Em novo ofício, Saúde exige todo o estoque e ameaça romper contrato com Butantan

O Ministério da Saúde enviou na noite desta sexta-feira (15) um novo ofício ao Instituto Butantan exigindo que toda a produção da Coronavac seja entregue.

“Informamos que a responsabilidade pela elaboração, atualização e coordenação do plano nacional de operacionalização da vacinação contra a covid-19 é do Ministério da Saúde, consoante redação do parágrafo primeiro do argo 13 da Medida Provisória n.º 1026 de 06 de janeiro de 2021. Logo, não podemos delegar a distribuição das vacinas, sobretudo em razão do estado de excepcionalidade que o País atravessa em razão da pandemia ocasionada pelo novo coronavírus (covid-19).”

Na sequência, cita ainda o contrato firmado entre a pasta e o Butantan. “Ademais, o contrato n.º 5/2021, firmado entre a União e a Fundação Butantan, prevê na cláusula décima, n.º 10.2.1, que o objeto do contrato deve ser entregue na Rua Jamil João Zarif, n.º 684, Jardim Santa Vicência, UNIDADES 11 a 17 e 18º – Guarulhos – SP, CEP: 07.143-000, não havendo previsão contratual de distribuição das doses de vacina a ser realizada diretamente pela Fundação Butantan.”

Trata-se de uma resposta ao ofício que o Butantan encaminhou ao ministério dizendo que entregará as doses, mas pedindo que a pasta diga quantas ficarão no estado de São Paulo.

Autoridades do governo relataram à CNNque se o Butantan não entregar, será configurado quebra de contrato.

Crédito: Caio Junqueira/CNN – @internet 16/01/2021

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!