Governo corre para reajustar vale-refeição de servidores depois de desistir de aumento de salário

0
358
@internet
Segundo apurou o Estadão/Broadcast, uma minuta de um projeto de lei que abre caminho para aumentar o benefício já está pronta e deverá ser enviada pelo Ministério da Economia ao Palácio do Planalto ’em breve’
Após abrir mão de reajustar o salário dos servidores públicos, o presidente Jair Bolsonaro corre contra o tempo para tentar pelo menos aumentar o vale-refeição do funcionalismo.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, uma minuta de um projeto de lei que abre caminho para aumentar o benefício já está pronta e deverá ser enviada pelo Ministério da Economia ao Palácio do Planalto “em breve”, de onde deve seguir para o Congresso Nacional.

O texto do projeto retira daLei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) a proibição de aumento de benefícios em 2022. Isso permitirá, em um segundo momento, a edição de um decreto aumentando o valor do vale. Segundo uma fonte do governo, o presidente Jair Bolsonaro ainda não desistiu do aumento do auxílio.

A questão, no entanto, é se haverá tempo para que as mudanças sejam aprovadas pelo Congresso Nacional nos prazos determinados pela lei em ano de eleição. O agrado tem que ser sancionado até o final da semana que vem, para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que impede que o governante aumente despesas em prazo inferior a 180 dias do fim do mandato.

O prazo apertado preocupa a equipe econômica e interlocutores do Palácio do Planalto, que já suspeitam da inviabilidade da aprovação da medida. A primeira ideia seria dobrar o benefício para os servidores do Executivo, mas o texto ainda não foi fechado e há dúvidas se o valor reservado no Orçamento para aumento salarial, de R$ 1,7 bilhão, seria suficiente para isso.

Esse valor no momento encontra-se bloqueado, ou seja, se for realmente usado para o reajuste do benefício a partir de julho, a área econômica terá que cortar outras despesas para adequar o orçamento ao teto de gastos, regra que impede que os gastos públicos cresçam acima da inflação.

Na semana passada, em entrevista a um canal no YouTube, Bolsonaro disse que “está praticamente acertado” dobrar o vale-alimentação do funcionalismo, hoje em R$ 458 por mês. “Resolvemos ultimar estudo para dobrar vale-alimentação de servidores. É o que está praticamente acertado”, declarou sem, no entanto, estimar o custo da medida em ano eleitoral para os cofres públicos.

Promessa

Depois de prometer reajustar o salário de policiais federais, Bolsonaro desencadeou uma reação no funcionalismo público com greves e paralisações em vários órgãos demandando o mesmo tratamento.

O governo passou a estudar dar um aumento linear de 5% a todo o funcionalismo, mas a hipótese acabou sendo abandonada nos últimos minutos porque demandaria um corte de cerca de R$ 6,5 bilhões no Orçamento, o que poderia comprometer o funcionamento de serviços públicos.

A ideia de aumentar o vale-refeição é vista como um “dano menor” pela equipe econômica porque, além de ter um peso maior para quem ganha menos, não pesa no pagamento de aposentadorias e não onera a Previdência no futuro, já que não integra o salário dos funcionários que se aposentarem no futuro.

Crédito: Lorenna Rodrigues e Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo – @ disponível na internet 23/06/2022


5 anos sem reajuste salarial. Conheça a pauta de reivindicações dos servidores do Inmetro

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.