Como os ganhos de produtividade com a IA podem ajudar a reduzir inflação

0
86
Desenvolvido pela OpenAI, o ChatGPT é um protótipo de chatbot que utiliza a chamada IA ​​generativa. / Jonathan Kemper/Unsplash

Quando uma companhia aérea no Oriente Médio foi recentemente inundada com 16 mil inscrições para várias funções de tripulante de cabine, ela recorreu à inteligência artificial para examinar os currículos e selecionar os candidatos mais promissores.

Um chatbot com inteligência artificial enviou formulários por e-mail para cerca de 1.000 dos melhores candidatos e – com base em suas respostas a perguntas-chave – reduziu ainda mais a lista. No final, a empresa ficou com menos de 500 pessoas, ou 3% dos candidatos, para entrevistar para as vagas.

O que uma grande equipe de recursos humanos levaria dias para realizar foi alcançado em minutos usando IA. A Recruitment Smart, empresa que desenvolveu o software, o chama de SniperAI, uma homenagem à sua velocidade e precisão.

O SniperAI é anterior ao lançamento do ChatGPT e de outras ferramentas de IA geradoras de consumo, que estão ocasionando ganhos de produtividade ainda mais surpreendentes: permitindo que os engenheiros de software codifiquem com o dobro da velocidade normal, ajudando os pesquisadores a concluir uma semana de trabalho em uma única manhã e fazendo o trabalho de 250 pessoas respondendo e-mails de clientes.

“Nos próximos anos, o principal impacto da IA ​​no trabalho será ajudar as pessoas a realizar suas funções com mais eficiência. Isso será verdade, quer eles trabalhem em uma fábrica ou em um escritório”, escreveu o fundador da Microsoft, Bill Gates, em um post de blog na terça-feira (11).

Desenvolvido pela OpenAI, o ChatGPT é um protótipo de chatbot que utiliza a chamada IA ​​generativa. / Jonathan Kemper/Unsplash

Especialistas dizem que a tecnologia ajudará a enfrentar uma desaceleração acentuada e prolongada no crescimento da produtividade em muitas economias ocidentais, que manteve os custos das empresas mais altos do que seriam de outra forma e tornou a inflação mais difícil de domar.

“A IA tem um enorme potencial para aumentar a produtividade”, disse o CEO da BlackRock, Larry Fink, no Investor Day da empresa no mês passado. “Pode ser a tecnologia que pode derrubar a inflação.”

Falando à CNN, Erik Brynjolfsson, diretor do Laboratório de Economia Digital da Universidade de Stanford, acrescentou que a IA pode ter impactos “iguais ou até maiores do que” as chamadas tecnologias de propósito geral anteriores, “porque procura abordar a inteligência, que é um insumo muito fundamental para a produção.”

Como a mais recente tecnologia de uso geral, a IA afetará quase todos os setores e ocupações, disse a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico em um relatório na terça-feira.

Como a máquina a vapor, que iniciou a revolução industrial, e a eletricidade, que estimulou avanços dramáticos na manufatura e na comunicação, a IA “pode ser usada de forma generalizada em muitos setores e promover ganhos gerais de produtividade”, destaca a OCDE.

Baixa produtividade, alta inflação

Um aumento na produção não pode vir em breve. O fraco crescimento da produtividade – mais comumente medido como produto interno bruto por hora trabalhada – prejudicou muitas economias avançadas desde pelo menos a crise financeira global de 2008.

As razões incluem o envelhecimento da população e a tendência à “desglobalização” ou o enfraquecimento dos laços comerciais e de investimento entre os países.

O problema da produtividade está se tornando cada vez mais urgente à medida que os mercados de trabalho apertados aumentam os salários.

“Se os salários aumentam mais do que a produtividade, então… custa mais produzir a mesma quantidade de produção, e isso pode causar inflação”, disse David McMillan, professor de finanças da Universidade de Stirling, na Escócia, à CNN.

Por outro lado, quando uma força de trabalho é mais produtiva, ela produz mais bens e serviços, e a um custo unitário menor. “Isso significa que há uma oferta maior dessas coisas, o que pressiona os preços para baixo e, portanto, está associada a uma inflação mais baixa”, escreveu McMillan recentemente no The Conversation.

De 5% a 7%, os aumentos salariais nos Estados Unidos e na Europa agora superam em muito o crescimento médio anual da produtividade, que tem permanecido em 1,5% ou menos desde meados dos anos 2000, segundo estatísticas oficiais.

Em última análise, isso é uma má notícia para os trabalhadores. “A longo prazo, ganhos salariais reais sustentados só podem ser garantidos por meio do crescimento sustentado da produtividade”, disse a OCDE em seu relatório, observando uma recente redução no poder de compra dos trabalhadores à medida que a alta inflação corrói os salários.

No Reino Unido, o Office for National Statistics estimou que, se a produtividade tivesse continuado crescendo 2% ao ano entre 2012 e 2022 – em vez de 0,2%, sua taxa de crescimento real na mesma época – isso significaria 5.000 libras extras (R$ 31.475) por trabalhador por ano, em média, em pagamento extra.

A única maneira de aumentar a produtividade é aumentar o volume de bens e serviços que uma economia pode produzir. É aí que entra a IA.

A promessa da IA

No momento, Wimbledon, o torneio de tênis mais antigo do mundo, está usando ferramentas de IA desenvolvidas pela IBM para gerar automaticamente os destaques da partida, economizando incontáveis ​​horas para sua equipe editorial. Pela primeira vez este ano, os destaques também incluirão comentários gerados por IA.

Isso significa que os organizadores do torneio poderão fazer mais com o mesmo número de trabalhadores.

Com sua promessa de turbinar a mão de obra, a IA pode aumentar a capacidade da economia global de produzir bens e serviços, diminuindo os preços e fazendo os salários subirem ainda mais.

“Pense nisso como análogo ao aumento na oferta global de mão de obra após a integração da China ao sistema comercial mundial, mas desta vez com o software assumindo o papel dos humanos”, escreveu o economista-chefe do grupo Capital Economics, Neil Shearing, em nota esta semana.

Em um artigo recente, Brynjolfsson, Martin Neil Baily, membro emérito sênior em estudos econômicos do Brookings Institute, e Anton Korinek, professor de economia da Darden School of Business da Universidade da Virgínia, antecipam uma duplicação na taxa de crescimento da produtividade dos EUA ao longo na década seguinte graças à IA, levando-a de volta aos níveis vistos pela última vez nos anos 1990 e início dos anos 2000, quando a América experimentou um boom de produtividade impulsionado por computador.

Os ganhos de produtividade na Europa podem ser semelhantes, embora um pouco menores, disse Brynjolfsson à CNN.

Empresas como IBM, Microsoft, Google e uma série de rivais menores, como SAP e Salesforce, estão correndo para integrar a tecnologia em seus produtos, usados ​​por milhões de empresas e trabalhadores em todo o mundo. A Microsoft descreve isso como ter um “Copilot” para aprimorar seu trabalho.

A adoção generalizada de ferramentas baseadas em IA pode gerar um aumento de 7%, ou US$ 7 trilhões (R$ 34 trilhões), no PIB global e aumentar o crescimento da produtividade em 1,5 pontos percentuais em um período de 10 anos, de acordo com pesquisadores do Goldman Sachs.

Em alguns casos, os ganhos de produtividade podem ser alcançados mais cedo. Isso ocorre porque a maioria das ferramentas de IA generativas reside na Internet – “a tecnologia que já temos em nossas mesas” – tornando-as amplamente acessíveis, disse Brynjolfsson.

A IA também é muito amigável porque tudo o que ela requer é que o usuário seja capaz de falar e escrever.

“Por essas duas razões, prevejo que essa revolução da IA ​​será muito mais comprimida” do que avanços anteriores, como a invenção da eletricidade, que levou décadas para transformar as economias, explica Brynjolfsson. “Em vez de décadas, serão anos e, em alguns casos, meses.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês: edition.cnn.com/2023/07/12/economy/ai-productivity-curb-inflation/index.html

Crédito: Hanna Ziady /  CNN – Londres – @ disponível na internet 17/07/2923

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!