Como a geração Z está salvando os sindicatos

0
172
sindicalização de jovens trabalhadores @reprodução internet

Os sindicatos nos Estados Unidos sofreram um declínio significativo desde o início da década de 1980. De acordo com dados da Secretaria de Estatísticas Trabalhistas, mais de 20% dos trabalhadores pertenciam a um sindicato em 1983 (o primeiro ano em que há dados disponíveis). Já em 2022, esse número havia caído pela metade.

Esse declínio é atribuído por muitos especialistas a questões como mudanças políticas que favorecem os empregadores, um aumento nas leis de direito ao trabalho que enfraquecem o poder de organização e de negociação coletiva dos trabalhadores, e uma tendência à subcontratação. Isso deixou os EUA com uma das densidades sindicais mais baixas entre as principais economias.

Mas mesmo com a redução do número de membros, o apoio dos trabalhadores aos sindicatos aumentou.

Em agosto de 2022, a empresa de pesquisa Gallup registou os níveis mais elevados de apoio aos sindicatos desde a década de 1960, 71% dos americanos aprovam os sindicatos e um em cada 10 trabalhadores não sindicalizados afirma estar “extremamente interessado” em aderir a um.

O sindicato dos roteiristas e atores dos Estados Unidos continua em greve devido às exigências de aumento de salários e benefícios, como de maior proteção contra o avanço da Inteligência Artificial.

E entre os que estão na linha da frente estão os trabalhadores mais jovens que lideram o impulso renovado em prol dos sindicatos. A Geração Z (nascida entre meados da década de 1990 e meados da década de 2000) é, de acordo com o Centro para o Progresso Americano, “a geração mais pró-sindical que existe atualmente”.

“Acho que há uma melhor compreensão de que se você tem um emprego, precisa de um sindicato”, diz Jaz Brisack. A jovem de 26 anos foi uma das primeiras líderes das lutas sindicais no Starbucks em Buffalo, em Nova York, em 2021.

Jaz Brisack
Jaz Brisack, 26 anos, foi um dos primeiros nomes a liderar as lutas sindicais na Starbucks em Buffalo, Nova York, em 2021 @reproduççao bbc
O contexto
 

A participação e o apoio da Geração Z aos sindicatos organizados faz sentido quando consideramos o contexto da sua experiência, explica Kate Bronfenbrenner, diretora de pesquisa em educação para o trabalho e professora da Escola de Relações Industriais e Sindicais da Universidade Cornell, nos Estados Unidos.

“Em primeiro lugar, eles cresceram ouvindo que estariam em melhor situação do que seus pais”, diz ela. “O fato é que acabaram tendo dificuldade para encontrar trabalho e os empregos que encontravam não eram tão bons como os dos seus pais.”

“Eles e a geração que os seguiu estão sobrecarregados com dívidas universitárias”, afirma. “Eles estão olhando para um mundo em que terão que pensar se devem ou não ter filhos por causa das mudanças climáticas.”

“Eles estão preocupados com outras questões sociais mais amplas, como os direitos reprodutivos ou o controle de armas, e planeiam responsabilizar o governo e os empregadores por essas questões”, acrescenta.

Protesto por melhores condições trabalhistas nos Estados Unidos
A Geração Z cresceu pensando que as condições de trabalho seriam melhores que as de seus pais @getty images

As práticas de algumas empresas durante a pandemia, continua Bronfenbrenner, aumentaram o entusiasmo da Geração Z pelos sindicatos: trabalhadores de baixos rendimentos, trabalhadores de serviços e aqueles sem formação acadêmica tiveram dificuldade em obter equipamento de proteção individual, cuidados médicos e licença médica remunerada.

Relatórios do Instituto de Política Econômica mostram que, em 2020, pouco mais de 10% dos trabalhadores considerados “essenciais”, incluindo os do setor comercial, estavam protegidos por contrato sindical.

Por outro lado, os trabalhadores representados por um sindicato tinham mais possibilidades de buscar mecanismos internos e externos para se defenderem em questões de saúde e segurança.

“Muitos desses trabalhadores estavam na linha de frente”, diz. “Quando pediram algo tão simples como equipamento de proteção individual ou folga para cuidar das suas famílias, ou não irem trabalhar quando estavam doentes, os seus empregadores disseram não. Os trabalhadores estão dispostos a tolerar muita coisa, mas colocar as suas vidas e as vidas das suas famílias em risco é demais, e penso que essa foi a gota d’água.”

Brisack diz que seu trabalho na Starbucks – em meio à escassez de empregos durante a pandemia – a fez sentir “como se ninguém estivesse vindo para nos salvar”. Isso inspirou ela e outros trabalhadores a tentarem encontrar as suas próprias soluções e foi fundamental para as tentativas de organização, que envolveram muitos membros da Geração Z e outros apoiadores da causa.

Brisack acredita agora no poder dos sindicatos para criar igualdade no que ela vê como uma estrutura de poder injusta. “Acho que as pessoas estão olhando para trás e vendo que o que realmente criou um melhor padrão de vida no passado foi a densidade sindical e estão mais abertas à ideia de organização.”

Geração Z contra o mundo

Os baby boomers tinham muitas coisas que os uniam, diz Bronfenbrenner, à medida que a geração se tornou “muito envolvida politicamente com os direitos civis, os movimentos de mulheres e o movimento contra a guerra”.

Mas, no final da década de 1970, “a situação mudou drasticamente e o foco passou a ser mais cuidar de si mesmo e ganhar dinheiro”.

Os pesquisadores geralmente consideram que a Geração X é significativamente mais independente e autossuficiente; e os millennials, de acordo com pesquisas empíricas, são a geração mais individualista de todas. A Geração Z, por outro lado, parece ser a geração coletiva.

Um projeto de pesquisa da Universidade de Stanford descobriu que o grupo nascido entre meados da década de 1990 e 2010 é altamente colaborativo.

Brisack acredita que, como a Geração Z sente que a sociedade os decepcionou coletivamente, muitos consideram necessário agir em grupo para melhorar as coisas.

Os esforços de sindicalização conduzidos pela Geração Z também tendem a ser marcados pela paixão dessa geração pelas causas sociais, e as suas reivindicações refletem isso, diz Bronfenbrenner.

Protesto no Starbucks
“Os trabalhadores da Starbucks exigiam que seus empregadores se posicionassem em relação aos direitos LGBTQ”, diz Bronfenbrenner @getty images

“Existe a frase ‘organizar para o bem comum’”, diz. E menciona vários momentos que refletem isso, como a greve dos professores na Califórnia que exigiu iniciativas sustentáveis ​​e melhores cuidados para os estudantes sem teto.”

“Os trabalhadores da Starbucks exigiam que seus empregadores se posicionassem em relação aos direitos LGBTQ”, acrescenta.

Mas os organizadores da Geração Z não só têm novas exigências, como também organizam novas indústrias, incluindo cargos remunerados por hora, que tradicionalmente não eram parte das proteções sindicais.

“Quando começámos a confrontar o Starbucks, muitas pessoas no mundo sindical nos disseram ‘esse não é um bom objetivo. Não é razoável’”, diz Brisack.

“As grandes empresas também podem lançar campanhas e mensagens anti-sindicais em grande escala, o que pode ser difícil para uma organização de pequena escala combater.”

Mas embora muitos organizadores da Geração Z, como Brisack, tenham expectativas realistas sobre o que a sindicalização pode ou não realizar nos empregos na indústria de serviços, eles ainda acreditam que vale a pena.

“Obviamente, não vamos conseguir pensões e muitas coisas que os sindicatos conseguiram alcançar no passado em algumas indústrias, pelo menos não sem uma densidade sindical real e forte”, diz ela. “Mas penso que podemos mudar o nível de vida de ‘esses são os empregos da pobreza’ para sermos capazes de construir uma carreira e ser trabalhadores a longo prazo nessas funções sem sacrificar o nível de vida.”

Organizadores eficientes

Além do entusiasmo sobre a organização, a Geração Z é muito boa nisso.

As suas táticas evoluíram mais rapidamente do que os esforços das empresas para neutralizar os sindicatos, e os protestos liderados pela Geração Z atraíram uma grande atenção e apoio público.

Os organizadores do meio de comunicação Business Insider, por exemplo, empregaram uma campanha robusta nas redes sociais. Alguns especialistas dizem que essa técnica fez com que os executivos reconhecessem o sindicato após 13 dias de greve.

Essa inovação pode oferecer uma espécie de proteção contra os esforços dos empregadores para impedir a sindicalização, diz Bronfenbrenner.

“A criatividade pega o empregador de surpresa porque os funcionários estão se divertindo. Eles não deveriam se divertir quando há uma campanha anti-sindical, eles deveriam se sentir intimidados. Quando os sindicatos fazem coisas criativas, como usar memes, eles desmantelam o clima de medo e conflito.”

E o domínio da Geração Z em redes e comunicação entre plataformas ajuda a criar amplo apoio público, acrescenta.

Criança segunda cartaz a favor de greve dos roteiristas e atores
A greve de roteiristas e atores em Hollywood continua @getty images

Os dados do Centro de Pesquisa Pew mostram que o sentimento público em relação às empresas é cada vez mais negativo. E é mais provável que as pessoas apoiem os trabalhadores que agem contra elas, apontam, mesmo quando isso cria inconvenientes como um atraso na transmissão da nova temporada de um programa ou um atraso na chegada de uma encomenda online.

“Há um público que está disposto a fazer sacrifícios pelos direitos dos trabalhadores”, diz Bronfenbrenner.

Por fim, o que torna os trabalhadores da Geração Z organizadores fundamentais nas indústrias de serviços e em empregos de baixos salários, acrescenta, é que são muito menos afetados pelos métodos tradicionais anti-sindicais, porque não se importam muito com a possibilidade de serem despedidos.

“Essas empresas não oferecem mais pensões ou promoções de longo prazo. Eles já passaram de emprego em emprego, então ser demitido não é a mesma ameaça”, diz Bronfenbrenner.

Mudança ou tendência?

Mesmo no meio de uma taxa decrescente de sindicalização, a maioria dos americanos acredita que os sindicatos são bons para os trabalhadores. E apesar de anos de legislação pró-empregador a nível federal, no final de agosto, o Departamento do Tesouro divulgou um relatório mostrando que os sindicatos foram bons para a economia.

A secretária do Tesouro, Janet Yellen, escreveu que a sindicalização “pode ajudar a reverter o forte aumento da desigualdade que temos visto nas últimas décadas, promovendo o crescimento em toda a economia”.

Resta saber se os recentes esforços de organização serão transformados em mudanças sistêmicas ou num regresso ao tipo de densidade sindical que os EUA viram no século passado.

Brisack acredita que a sindicalização das indústrias de serviços de alta rotatividade gera um impulso.

“As pessoas podem mudar de um emprego para outro, em parte porque é uma indústria muito exaustiva e exploradora, mas levarão consigo os princípios sindicais”, diz.

Trabalhadores protestam por melhores condições de trabalho
Trabalhadores protestam por melhores condições de trabalho. A ameaça de demissão já não tem o mesmo impacto que no passado @getty images

“Depois de passar por uma campanha sindical, é muito mais difícil aceitar a exploração ou condições injustas ou não ter voz nos locais de trabalho no futuro.”

Bronfenbrenner afirma que grandes progressos podem estar em andamento.

Houve uma mudança de guarda no Conselho Nacional de Relações Trabalhistas, a agência federal independente que oferece proteção aos funcionários do setor privado, diz, e aqueles que dirigem a agência, “estão respondendo ao seu trabalho de uma forma muito diferente, e estão tomando decisões que facilitam a organização”.

Mas esses cargos são nomeados pelo presidente, com o consentimento do Senado, acrescenta Bronfenbrenner.

“Tudo isso pode mudar com uma nova administração e um novo Congresso. A questão é: será que esse novo impulso pode superar isso? Será que esses jovens estarão motivados para garantir que a mudança aconteça fora do seu local de trabalho? Ficarão desanimados se a mudança não acontecer rápido o suficiente?”

*Este artigo foi publicado originalmente na BBC Worklife. Clique aqui para ler a versão original em inglês.

Crédito: Kate Morgan / BBC Worklife – @ disponível na internet 18/09/2023

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!