Pessoas refugiadas – Uma oportunidade de inovação para o setor privado.

0
906
Maria Beatriz Bonna Nogueira é chefe do escritório do ACNUR em São Paulo. Doutora em Relações Internacionais pela Universidade de Brasília. Mestre em Estudo de Migração Forçada pela Universidade de Oxford e em Direitos Humanos pela Universidade de Londres (LSE). Maria Beatriz é  Servidora Pública Federal do Inmetro

Tornou-se recorrente a afirmação que, ano após ano, “o mundo presencia o maior volume de deslocamento forçado desde a II Guerra Mundial”, como reafirma já pelo quinto ano consecutivo a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), no ato de lançamento do relatório Tendências Globais (https://goo.gl/Un1Bqm).

Conflitos armados, violência generalizada e graves violações dos direitos humanos levaram mais de 68 milhões de pessoas a se deslocarem contra suas próprias vontades em todo o mundo em busca de paz, proteção e garantia de seus direitos.

No ato da fuga, muitos pertences, relações afetivas e sociais ficam para trás, mas os conhecimentos e experiências que trazem consigo fazem com que as pessoas refugiadas cheguem aos novos países com o potencial de contribuírem para o desenvolvimento de suas comunidades de acolhida.

Sendo o refúgio um status transitório, o permanente é que as pessoas refugiadas buscam formas de se integrar à nova sociedade. Além da experiência profissional, essas pessoas demostram grande determinação para seguir adiante e resiliência para superar obstáculos. Essas capacidades, muito embora não descritas em currículos, normalmente se convertem em grande disposição para o trabalho, assiduidade, comprometimento e potencial inovador.

Ter um emprego é transformador para qualquer pessoa, mas é especialmente crucial para que refugiados possam agregar inovação às empresas, estimular as equipes de trabalho, honrar compromissos e conquistar resultados.

Como, então, refugiados impactam as empresas e a economia?

A dinamicidade da economia possibilita que refugiados possam contribuir para sua elasticidade, pois o ímpeto de quem chega ao Brasil como refugiado traz inovação e foco em resultados justamente por já terem passado por múltiplas experiências profissionais e empreendedoras, assim como por agregar seu capital cultural.

No Brasil, há inúmeros casos de refugiados empreendedores, que não apenas movimentam a economia local, como também contratam brasileiros em suas empresas. Além disso, pessoas em situação de refúgio também exercem diferentes cargos dentro de empresas e indústrias de porte e segmento variados, contribuindo para que resultados sejam atingidos com eficiência, determinação e oxigenação das equipes que passam a pertencem, realmente vestindo a camisa.

Desde o mês passado, a Federação e o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp) têm promovido, em parceria com o Governo Federal e apoio do ACNUR, o evento “Nova Lei de Migração: uma janela de oportunidades”, onde a legislação brasileira sobre o tema é discutida, assim como são apresentados casos de sucesso em empregabilidade de refugiados por grandes empresas.  Reforça-se no evento que contratação de uma pessoa refugiada enseja os mesmos direitos, garantias e deveres que brasileiros. A cartilha “Contratação de Refugiados e Refugiadas no Brasil: Dados e Perguntas Frequentes” (https://goo.gl/eKvnus) ratifica essa perspectiva. O projeto que originou essa cartilha, “Empoderando Refugiadas”, é um exemplo de engajamento de renomadas empresas que propiciaram uma melhor adaptação às pessoas refugiadas que chegam ao Brasil, possibilitando assim transformar o potencial de saberes em ganhos efetivos.

Ao invés de serem vistos como um fardo para a sociedade, refugiados devem ser percebidos como uma oportunidade para a indústria, serviços e comércio em termos de inovação, força de trabalho dedicada e empreendedorismo. Refugiados não são receptores passivos de ajuda, mas buscam autonomia e autossuficiência e remodelam a atividade econômica em direção a uma maior dinamicidade, adaptabilidade e diversidade de experiências.

O potencial de inovação como diferencial competitivo estratégico

Sendo propositores de transformação e dedicados a cada oportunidade conquistada, refugiados também têm demonstrado uma alta capacidade de adaptação. O fato de terem deixado seus países de origem em busca de sobrevivência já evidencia sua capacidade de superação obstáculos. Estando seguros no novo país, empenham-se em mostrar que são capazes de crescer junto com os desafios que as indústrias e empresas enfrentam no dia a dia.

Ademais, o foco na diversidade no ambiente de trabalho contribui não apenas para a superação da discriminação e da xenofobia, como também a motivação das equipes, acúmulo de novas experiências e incremento dos resultados. Estudos sobre diversidade no mundo corporativo, como o “Diversity Matters” realizado pela consultoria McKinsey (https://goo.gl/gNhu6w), evidenciam que empresas com forças de trabalho mais diversificadas apresentam também melhor retorno financeiro.

Estratégias de promoção da diversidade no setor privado complementam-se às políticas públicas de integração local da população refugiada. Essa sinergia tem aproximado governos federais, locais, empresários e sociedade civil no propósito comum dinamizar a economia, expandir oportunidade e garantir direitos.

Os inúmeros casos de êxito nas contratações de pessoas refugiadas e/ou de suas empresas repercutem em diferentes setores da economia e reforçam a tese de que investir em refugiados é liderar pelo exemplo e acreditar que responsabilidade social, diversidade, inovação e alta performance caminham juntos. Oferecer oportunidades a pessoas refugiadas, integrando-as na cadeia de valor das empresas, reverbera positivamente não apenas para os envolvidos, mas igualmente para as comunidades locais, para os negócios de maneira geral e para o país.

Artigo publicado na página da FIESP ( pesquisas e informações)  J  – disponível na internet 07/09/2018

Nota: O presente artigo não traduz a opinião do ASMETRO-SN. Sua publicação tem o propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.