Categorias da União vão intensificar diálogo com parlamentares para frear corte salarial

0
125

Redução de jornada e salário é alvo de preocupações do serviço público, que também quer abrir canal de diálogo com o governo

A redução de jornada e salário de servidores públicos em períodos de crise financeira (prevista na PEC emergencial que está no Congresso) e a reforma administrativa que o governo de Jair Bolsonaro enviará ao Parlamento estão no centro das atenções do funcionalismo.

E as categorias querem intensificar as conversas (e a pressão) com parlamentares para frear essas medidas, sendo que o corte salarial é o maior motivo das preocupações.

Somado a isso, representantes dos servidores querem abrir um canal de diálogo com governistas para conter projetos que, segundo o conjunto das categorias, significam “perda de direitos”.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial é uma das previstas no Plano Mais Brasil, que engloba outros projetos (todos com a finalidade de enxugar despesas obrigatórias, como vencimentos dos funcionários públicos).

Já a PEC da reforma administrativa ainda será encaminhada ao Congresso. No entanto, já vem recebendo forte apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O projeto vai reformular regras do serviço público e abrir caminho para outros projetos mais específicos serem enviados ao Legislativo.

Paralisação

Enquanto tentam dialogar com o Executivo e parlamentares (não só sobre a reforma, mas em especial sobre os cortes de vencimentos), as categorias já estão se mobilizando para fazer uma paralisação em 18 de março (quando será o Dia Nacional de Luta em Defesa do Serviço Público), como já indicado pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe).

Equipe econômica: “último recurso”

Em entrevista à coluna na edição de 6 de janeiro, o secretário nacional de Gestão e Desempenho de Pessoal, Wagner Lenhart, declarou que a redução de jornada com a consequente diminuição de vencimentos será o “último recurso” de um ente em crise.

Segundo Lenhart, a medida será utilizada quando o estado, o município ou a União não conseguir manter a prestação de seus serviços à população.
 
Crédito: Paloma Savedra/O Dia – disponível na internet 17/01/2020

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!