Home Destaques Os 120 anos de ‘Os Sertões’, apontado como primeiro livro-reportagem brasileiro

Os 120 anos de ‘Os Sertões’, apontado como primeiro livro-reportagem brasileiro

0
32

“O sertanejo é, antes de tudo, um forte.” Talvez esta seja a frase mais lembrada quando se trata do livro ‘Os Sertões’, obra-prima escrita por Euclides da Cunha (1866-1909) e lançada há exatos 120 anos.

O livro, muitas vezes visto como uma epopeia da vida do sertanejo, numa luta diuturna contra as dificuldades impostas pela natureza e enfrentando ainda incompreensão daqueles que formam a elite nacional, é considerado o primeiro livro-reportagem brasileiro, posto que foi escrito como romance de não-ficção.

Euclides da Cunha, um jornalista de formação militar, foi enviado pelo jornal O Estado de S. Paulo em 1897 para cobrir a Guerra de Canudos, conflito armado ocorrido em 1896 e 1897 para encerrar a suposta contestação popular ao regime republicano que surgiu no interior da Bahia.

O convite para ser o correspondente de guerra do matutino paulistano foi feito pelo jornalista Júlio de Mesquita (1862-1927), proprietário do jornal. Antes, Euclides da Cunha havia publicado um artigo no periódico, chamado A Nossa Vendeia, no qual traçava um paralelo entre o movimento chefiado pelo líder messiânico Antônio Vicente Mendes Maciel (1830-1897), mais conhecido como Antônio Conselheiro, no povoado de Belo Monte, terras onde antes havia um arraial chamado Canudos, com o movimento monarquista francês que pretendia derrubar a república, no fim do século 18.

Um texto redigido pela equipe do acervo do jornal O Estado de S. Paulo enfatiza o nascedouro da obra durante os meses em que Cunha atuou na cobertura especial do conflito. “É em Canudos que começa a escrever as primeiras notas de sua obra-prima ‘Os Sertões’, cujas primeiras amostras públicas aparecem no Estado, ainda em 1898, sob o título ‘Excerto de Um Livro Inédito'”, afirma o texto publicado pelo acervo do jornal.

Segundo conta o biógrafo de Cunha, o diplomata, cientista político e historiador Luís Cláudio Villafañe Santos, o jornalista “já saiu de São Paulo [rumo à Bahia] com a intenção de escrever um livro”. “O jornal havia prometido a ele que publicaria um livro, em forma de folhetim. Isso acabou não ocorrendo”, comenta Santos, que no ano passado publicou a obra Euclides da Cunha – Uma Biografia.

Pioneirismo no gênero

Os Sertões seria escrito ao longo de cinco anos, de 1897 a 1902. “E, sim, se pode dizer que foi um pioneiro livro-reportagem porque tem muito de um livro que procura ser mais do que literatura, procura ser um livro de não-ficção. Uma não-ficção literária, um livro de jornalismo literário, para usar a expressão mais correta”, afirma Santos.

Nesse sentido, Cunha vestiu a carapuça do jornalista que era. “No livro, está a ideia de que ele estava relatando fatos, ainda que o fizesse de forma literária”, comenta o biógrafo.

Foto de Euclides da Cunha, de autor desconhecido
Foto de Euclides da Cunha, de autor desconhecido @domínio público

Contudo, o interessante é notar que, ao longo do processo de depuração e escrita do livro, a própria visão de Euclides da Cunha sobre a ocorrência histórica parece ter mudado substancialmente. Se durante o conflito, quando ele reportava ao jornal O Estado de S. Paulo, sua visão era “oficialesca”, na obra literária ele se coloca numa postura de denúncia da violência impetrada contra os sertanejos.

Para isso é preciso entender o contexto. Para atuar na cobertura, o jornalista resgatou sua patente militar — era primeiro-tenente, mas havia deixado de exercer — e assim foi que ele atuou e teve os acessos necessários ao trabalho. “O jornal o mandou como jornalista, mas ele também foi a Belo Monte como militar. Levou uniforme, teve ajudante de ordens e uma inserção dentro do comando militar”, aponta Santos.

“Depois, a narrativa do livro acabou sendo imensamente diferente da narrativa de suas reportagens publicados ao longo da guerra”, compara o biógrafo. “Antes, ele tinha uma visão pró-exército, oficialista, governista. E isso não se verifica quando ele escreveu o livro, cinco anos depois.”

Para Santos, isso pode ter decorrido por conta da própria mudança de mentalidade da época. Àquela altura, já eram conhecidas as “muitas denúncias de todos os absurdos” cometidos durante as batalhas em Belo Monte.

Estudioso da obra de Euclides da Cunha reconhecido internacionalmente, o professor Leopoldo Bernucci, da Universidade da Califórnia em Davis, também concorda com a classificação pioneira de Os Sertões como livro-reportagem. Segundo ele, a obra pode ser definida “como um livro que absorve, como nenhum antes dele, um tipo de discurso que chamamos de reportagem”.

“O discurso jornalístico é um entre tantos outros que compõem esta obra, sendo que o historiográfico é o que predomina, tanto pela intencionalidade do autor que o anuncia nas suas primeiras páginas como pela própria estrutura cronológica e interpretativa dos fatos”, analisa Bernucci, autor de, entre outros, Discurso, Ciência e Controvérsia em Euclides da Cunha.

Ele ressalta que as “outras linguagens” que podem ser detectadas no livro são “a da Bíblia, da geologia, da antropologia, da geologia, do folclore, da meteorologia e das práticas militares”.

“O jornal, a partir do século 19, já se comportava como o romance moderno em sua elaboração discursiva. Entravam nele o texto ficcional, o aviso publicitário, as declarações governamentais, comerciais e jurídicas, os relatórios militares, todos justapostos e ocupando um mesmo espaço cultural. Euclides se apropriou da estrutura multifacetada do jornal, fazendo coexistir vários tipos de discurso no seu livro”, contextualiza o professor.

“Porém, diferentemente do que ocorre no jornal, as várias linguagens de Os Sertões acham-se organicamente articuladas. Tanto é assim que, pelo fato de os diversos tipos de discurso estarem tão imbricados nessa obra, torna-se praticamente impossível precisar onde termina a linguagem jornalística e onde tem início a linguagem historiográfica, por exemplo”, completa ele.

Para Bernucci, “a dívida” que Euclides da Cunha tinha com os jornais da época era enorme, seja porque ele os utilizou como fonte de pesquisa, seja porque ele próprio atuou em diversos. “[Foi] um grande colaborador em conhecidos periódicos, como O Estado de S. Paulo, e os cariocas Jornal do Commercio, Kosmos, O Paiz”, enumera. “Via-se confortavelmente nesse meio jornalístico.”

Os Sertões nasceu nas próprias reportagens que o então ‘correspondente de guerra especial’ do jornal O Estado de S. Paulo enviava àquela publicação, bem como nos telegramas que cobriram pormenorizadamente os dois últimos meses do conflito”, acrescenta o publicitário e pesquisador independente Felipe Rissato, co-autor, ao lado de Bernucci, do livro À Margem da História – Euclides da Cunha.

Reprodução de capa da primeira edição do livro Os Sertões, 1902
Reprodução de capa da primeira edição do livro Os Sertões, 1902 @domínio público

De acordo com levantamento realizado por ele, a cobertura de Cunha constou de 31 edições do jornal — o jornalista teria enviado 64 telegramas à redação com seus relatos.

“Ele não era o único repórter de campo nas operações, assim como não foi o único a publicar um livro a respeito da Guerra de Canudos”, ressalta Rissato. “Mas o jovem ex-militar, reformado no ano anterior, em 1896, tinha posição de destaque mesmo em outras folhas, que reproduziam suas reportagens. Além disso, apesar de seu livro aparecer somente em 1902, cinco anos após a guerra, quando fundiu as reportagens, os telegramas e as anotações imprescindíveis que fizera na caderneta que levava consigo para o livro, Euclides manteve na narrativa recursos jornalísticos, como a objetividade mesmo em descrições detalhadas.”

“O pioneirismo da obra se dá por ser uma novidade para a época em relação à forma como foi escrita, pois mistura elementos jornalísticos e literários”, diz a especialista em dramaturgia Ana Sampaio Machado, professora de ética em comunicação na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). “Ao descrever detalhadamente a paisagem, as pessoas e os fatos sem romancear, prezando pela organização, se encaixa no gênero jornalístico, porém não pode ser classificado como tal, por sua extensão, pela escolha do vocabulário incomum e pelo estilo de escrita.”

Sucesso repentino

Oficialmente não há uma data exata do lançamento da primeira edição de Os Sertões, mas Rissato aponta para a alta possibilidade de o livro ter saído do prelo em 2 de dezembro de 1902.

“A data exata é incerta, mas ficou como sendo ‘oficial’ a data da dedicatória mais antiga, 2 de dezembro, encontrada em um exemplar oferecido ao cunhado de Euclides, Octaviano”, afirma o pesquisador. “No dia 3, já aparecia a primeira crítica, de José Verissimo, no Correio da Manhã, do Rio de Janeiro.”

O sucesso foi retumbante. Segundo o material publicado pelo acervo do Estadão, o livro foi “recebido com entusiasmo pelos críticos literários da época e a prime ira edição se esgotou em algumas semanas”. No ano seguinte, Euclides da Cunha foi eleito como membro da Academia Brasileira de Letras. Ele também foi convidado a integrar e tomou posse no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. “Costuma se dizer que ele foi dormir desconhecido e acordou famoso. E isso é parcialmente verdade”, comenta o biógrafo Santos.

Para o biógrafo, esse sucesso incrível surpreendeu a todos, inclusive ao próprio autor.

Não demorou muito para o livro ser alçado ao panteão dos clássicos da língua portuguesa. “Há vários fatores que contribuem para que seja considerado uma obra canônica da literatura nacional”, explica Bernucci. “Poderíamos enumerar alguns desses pontos dizendo o seguinte: um clássico é aquele livro que não somente se lê, mas que é relido em distintas épocas, consideração que faz ressaltar nele seu caráter imperecível e sua característica de artefato cultural duradouro, como as grandes pinturas. Outro fator: os clássicos trazem as marcas das leituras que precedem as nossas. Assim, não poderíamos deixar de encontrar em ‘Os Sertões’ os traços de muitos outros livros parecidos na cultura ocidental.”

Ele ressalta ainda que o livro, ao longo dos 120 anos de sua trajetória, “vem se impondo também como obra que impactou outras culturalmente importantes”. “Isto é, como livro fundamental e fundador na tradição dos debates sobre a nossa nacionalidade”, aponta.

Caricatura de Euclides da Cunha publicada em 1903, feita por Raul Pederneiras
Caricatura de Euclides da Cunha publicada em 1903, feita por Raul Pederneiras @domínio publico

Para o professor, o livro ainda “atinge uma dimensão universal para que possa ser chamado de clássico”. “O livro toca os nossos corações tanto pelas descrições e narrações dos fatos geograficamente localizados quanto por aquelas que, desbordando da esfera local, passam ao mundo dos sentimentos universais, como por exemplo o da solidariedade que todos devemos ter uns com os outros como povo de uma mesma nação”, diz.

“A Guerra de Canudos representou o contrário desta noção, porque se configurou como uma verdadeira guerra civil, em que como é típico, indivíduos de um mesmo país lutam uns contra os outros, irmãos contra irmãos destruindo-se”, comenta Bernucci.

“Creio também que toda grande obra literária traz algo que é a consciência de sua própria linguagem. A linguagem euclidiana sinaliza direta e indiretamente as pulsações de sua presença e o valor de sua importância, não só como veículo de mensagens, mas também como instrumento ou meio de transformá-las e defini-las”, acrescenta o especialista. “Esta definição, grosso modo, serviria para demonstrar a diferença entre o discurso tipicamente jornalístico de fins de século, com o qual Euclides estava tão bem familiarizado, e a apropriação transformadora que o autor faz desse mesmo discurso, recarregando-o de qualidades estéticas.”

Machado situa a importância da obra no fato de que ela “trata de questões relevantes não apenas para a época em que se deram os acontecimentos relatados, mas para os nossos dias”. “A Guerra de Canudos foi a última revolta contra a República. Uma República, então, que se consolidou a partir de uma postura de indiferença, incompreensão, desprezo e violência dirigida aos pobres”, afirma ela.

“Euclides da Cunha foi para Canudos com as ideias propagadas nas grandes cidades. Mas quais eram essas ideias? Fake news”, diz Machado. Ela ressalta que o que se propagava era que os jagunços — “o próprio termo já é pejorativo”, frisa — estavam armados e “recebiam apoio de potências estrangeiras que tinham interesse em destruir a República”.

“Contudo, as armas que os camponeses tinham foram as que eles próprios tomaram dos soldados vencidos nas primeiras campanhas”, contexualiza Machado.

Ela recorda que “chegou-se até mesmo a se dizer que os moradores de Canudos, católicos monarquistas, eram comunistas”. “A obra de Euclides da Cunha tem enorme força narrativa para o contexto atual. Seria ótimo se mais pessoas se sensibilizassem não apenas com a descrição do massacre de Canudos, mas com os sofrimentos e mortes diárias que ocorrem pela indiferença e ódio em nossa sociedade”, compara. “A situação de Canudos persiste, mas está espalhada e devidamente disfarçada.”

Luís Cláudio Villafañe G. Santos, autor de livro sobre o autor de Os Sertões
Luís Cláudio Villafañe G. Santos, autor de livro sobre o autor de Os Sertões @EDITORA TODAVIA/ DIVULGAÇÃO

Já Rissato situa a importância de Os Sertões no fato de que a obra deu a Euclides da Cunha um status de representante da elite intelectual do Brasil. “A guerra ocorrida no sertão baiano passou para a história brasileira como o primeiro grande acontecimento com cobertura diária na imprensa, garantindo ao evento um caráter de interesse então ainda não visto no país”, pontua.

“A obra de Euclides, por não ser unicamente jornalística, nem mesmo unicamente literária, recebendo de há muito o caráter de ‘inclassificável’, reúne estudos de geologia, etnografia, sociologia, antropologia e uma série de ciências, que permitiram ao autor, no ano seguinte à sua publicação, o ingresso na Academia Brasileira de Letras e no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, colocando-o em posição de destaque da nossa intelectualidade em todos os tempos.”

Ciência repleta de falhas e racismo

Mas, segundo o biógrafo Santos, foi essa mistura de conhecimentos que fez com que o autor se perdesse na parte científica do trabalho. “Ele foi muito ambicioso e tentou atuar em várias frentes: geologia, geografia, botânica, filosofia das religiões, filosofia em geral, coisas militares e história também”, afirma. “Ele criou uma historiografia sobre Belo Monte que vai durar muitíssimo.”

Os Sertões foi dividido em três partes: A Terra, O Homem e A Luta. “Suas chaves de leitura são o que fazem do livro um tremendo sucesso. A primeira é que o próprio autor dizia que ‘Os Sertões’ era o consórcio entre a ciência e a arte, a ideia de que a literatura não era só literatura, era também ciência. Ele propunha isso e, no início, a obra foi vista assim, não só como um livro literário, mas como um livro que estava contando a realidade”, diz Santos. “Ele se orgulhava de ter escrito um livro assim, dizia que era a nova literatura, que seria assim a literatura dali por diante.”

Segundo o biógrafo, essa ideia um tanto enciclopédica de Euclides da Cunha baseava-se no fato de que a sociedade passou a querer uma explicação para o ocorrido em Canudos. “E Os Sertões, como um livro de ciências entre aspas, produz uma explicação que vai encontrar muito respaldo”, conta. “E é curiosa porque acaba tirando a responsabilidade.”

Isto porque uma das linhas de argumentação do livro é que aquela sociedade, por ser “muito atrasada e isolada” na história, teria um encontro inevitável “com o século 20”. E, nesse encontro, a sociedade “atrasada” iria se perder. Segundo Santos, era um meio de “retirar a culpa” pelo massacre.

Ao longo do tempo, contudo, a faceta “científica” do livro acabou sendo derrubada, justamente porque notou-se que a argumentação acadêmica do mesmo não se sustentava. “A face literária é extraordinária, insubstituível na bibliografia brasileira. Já a parte científica, embora extremamente ambiciosa, demonstrou ter problemas graves”, pondera o biógrafo.

Engenheiro militar por formação, Euclides da Cunha tinha certos conhecimentos científicos, mas seguramente muito menores do que a ambição do livro pretendia abarcar. “Ele fala de geologia, um assunto que entendia pouco. Fala de botânica, que ele não entendia nada. Fala de história, um assunto em que ele tinha visões complicadas. De antropologia, em que também tinha visões muito complicadas. Fala de arte militar, um ponto onde ele tinha um lugar de fala por falar disso como militar”, enumera Santos. “Ele ataca em todas as áreas, faz um livro que tenta ser enciclopédico.”

“Aí tem um problema grave: como ele avança por muitas áreas do conhecimento, acaba sendo muito pouco profundo e até frágil”, analisa. “Suas investidas pouco a pouco vão sendo postas em questão.”

Logo após o lançamento, por exemplo, especialistas encontraram erros primários de botânica na obra. E a própria descrição de Belo Monte, segundo o biógrafo Santos, “era fruto da imaginação” do autor, sem base historiográfica.

“A ciência presente em Os Sertões vai caindo, por conta de muitas falhas”, aponta Santos.

Nas áreas de sociologia e antropologia, contudo, estão os aspectos mais condenáveis. “A parte antropológica é, cientificamente, hoje em dia muito mais do que ruim. É inaceitável”, afirma Santos.

Residem nesses pontos a questão sobre a visão racista da obra. “A antropologia de Euclides é baseada numa leitura racialista, ou seja, uma ideia muito antiga que já estava em alguma medida até naquele momento já sendo superada”, comenta Santos.

A obra basilar dessa ideia, Ensaio Sobre a Desigualdade das Raças Humanas, havia sido publicada pelo filósofo francês Arthur de Gobineau (1816-1882) quase cinco décadas antes. “Então já era uma visão complicada naquele momento”, pontua Santos.

“Portanto, eu não concordo que dizer que ele era racista é um anacronismo. Anacronismo é você atribuir ao personagem passado ideias que ele não poderia ter naquele momento, mas naquele momento existiam outras possibilidades [de interpretação do mundo]”, comenta o biógrafo.

Para ele, a segunda parte do livro, ‘O Homem’, é “um terror se lido hoje em dia”. “Precisamos dar um desconto pelo fato de que essas visões estavam, na época, mais próximas de uma visão aceitável. Eram aceitáveis em grande medida, mas deve-se dar a justa medida. Isso não quer dizer que, por viver naquele momento, ele necessariamente teria de ter essa visão. Havia outras visões disponíveis que ele poderia ter usado para iluminar as ideias dele, mas ele escolheu essa. Curiosamente, ele escolheu essa”, diz.

Bernucci, por sua vez, acredita que leituras anacrônicas “prejudicam enormemente esta questão tão delicada”. “‘Racista’, quando se aplica à visão que Euclides tinha das raças, seria uma palavra fácil para quem não se toma ao trabalho de se debruçar como eu e alguns de meus colegas com a vista cansada dos anos de pesquisa sobre o autor para ler a sua obra em contexto histórico, em conjunto e com profundidade como ela deve ser lida”, pondera.

“Acredito que as minhas leituras sempre foram justas e imparciais. A compreensão que Euclides tentava ter sobre o papel das raças em nossa sociedade de maneira particular, e também de modo mais geral, está marcada por teorias raciais vindas da Europa na sua época. Nunca fui, e não é esta a ocasião em que deveria dissimular tal postura, um admirador sem reservas de Euclides da Cunha”, acrescenta. “Mas reconheço sempre nele um temperamento prodigiosamente dotado de energia mental e física para dar ao nosso país um impulso capaz de despertá-lo do obscuro remanso em que viviam as pessoas dos seus dias.”

O professor recomenda que Os Sertões seja um livro lido “com as lentes do século 19”, o mesmo que “produziu grande parte das teorias raciais que o autor utilizou”. “As teorias sobre a raça negra se embatem com aquilo que Euclides, na prática, observava e sentia, já que ele nunca foi um racista”, argumenta.

Para Machado, Euclides da Cunha “era um homem que partilhava as ideias predominantes de seu tempo, e tais ideias são racistas”. “Era uma época dominada pelo pensamento positivista, que acreditava no progresso redentor da ciência, com teorias que se colocavam contra a miscigenação e apregoavam que as condições climáticas de um lugar ou físicas e psicológicas de sua população eram impeditivas ao progresso”, comenta ela.

“Chegou-se até mesmo a desenterrar o corpo de Antônio Conselheiro e enviar sua cabeça para ser estudada à luz dessas teorias. Estamos olhando para esse homem com a distância de mais de um século. As gerações futuras também nos julgarão sob uma perspectiva diferente da nossa e provavelmente perceberão ideias inadmissíveis. É muito difícil perceber os vieses de nossas crenças, uma vez que estamos imersos na sociedade cuja forma de pensar herdamos e ajudamos a construir.”

“Euclides era um homem de seu tempo. Lia, estudava, refletia e pensava de acordo com as correntes científicas em voga. Ele não foi o único a se constatar que defendia teorias posteriormente caídas em relação à mestiçagem dos povos, mas é preciso buscar estar inserido em seu meio para formular qualquer afirmação ou julgamento”, acredita Rissato. “Se a crítica for ponderada a partir desse prisma, será mais feliz e menos simplista.”

“O livro nasceu como de ciência e arte, mas hoje é um livro só de literatura. Toda a parte científica de ‘Os Sertões’ não se sustenta minimamente. E a parte antropológica e sociológica e absolutamente inaceitável”, diz Santos. “Isso não tira o mérito do livro hoje em dia. É um livro que não pode ser lido de maneira alguma como livro de ciência mas se sustenta muito como literatura. Continua sendo uma obra extraordinária, uma das maiores da literatura brasileira.”

Capa do livro de Luís Cláudio Villafañe G. Santos
Capa do livro de Luís Cláudio Villafañe G. Santos @EDITORA TODAVIA/ DIVULGAÇÃO

Um autor e múltiplas visões

O biógrafo Santos comenta que, nos últimos anos, a leitura sobre a obra de Euclides da Cunha evoluiu bastante. “Em minha biografia eu recolho um pouco dessas novas visões, especialmente sobre Os Sertões“, diz.

Ele diz que um mito comum é que o autor tenha se horrorizado e denunciado o massacre de Canudos quando chegou lá, a serviço do jornal O Estado de S. Paulo. “Não foi nada disso. As reportagens que ele mandou da Bahia são do Euclides que apoia praticamente toda a campanha militar, partilha a visão de que aquilo poderia ter sido um levante monarquista”, comenta Santos.

“Ele foi um jornalista totalmente enquadrado ao que era a visão daquele momento, que ele tinha… Essa imagem de que a rebelião em Belo Monte era uma rebelião monarquista, uma nova Vendeia [insurreição contra a Revolução Francesa, em 1793]”, ressalta o biógrafo. “Em suas reportagens, ele vende essa ideia da revolta monarquista como uma ameaça à República.”

A mudança de postura de Euclides da Cunha ocorreria já em São Paulo, nos anos seguintes, enquanto ele escrevia Os Sertões em uma casa em São José do Rio Pardo, no interior do Estado.

Santos lembra que o primeiro título provisório dado por Cunha para sua obra foi A Nova Vendeia, o que indica que, no princípio, ele ainda insistia nessa versão da história. “Mas nos cinco anos seguintes, a visão sobre o que aconteceu na Bahia, não só dele, mudou muito. Aquela visão monolítica da imprensa de que havia ocorrido um atentado contra a República, isso caiu por terra”, contextualiza.

“A opinião pública mudou, com uma série de denúncias acerca dos horrores da guerra e da atuação do exército”, acrescenta Santos.

Para o biógrafo, o próprio uso do termo Canudos, adotado por Euclides da Cunha e, de certa forma, consagrado a partir de sua obra, é um indicativo de tentar perpetuar a “história do vencedor”.

Isto porque Canudos reforça o nome anterior do arraial, uma fazenda de propriedade privada onde surgiu um povoamento. Naquela época, o povoado fundado por Conselheiro era chamado de Belo Monte. Usar o termo Canudos, como acabou consagrado durante a guerra, era uma maneira de deslegitimar a própria ocupação que ali havia, no entendimento do biógrafo.

“No processo de trabalho do livro, Euclides adaptou sua visão à mudança de visão que já tinha ocorrido na sociedade brasileira de maneira geral. Ele reconhece que a ideia do massacre, aquilo tudo, havia sido um fato absurdo”, diz Santos.

“Euclides não apresenta culpado. Ele relata as barbaridades mas não dá nome aos bois. Ele denuncia um crime, Os Sertões é a denúncia de um crime, mas curiosamente ele denuncia um crime sem responsáveis”, argumenta o biógrafo.

A obra acaba “jogando a culpa” do ocorrido sobre Antônio Conselheiro, o líder messiânico. Cunha acaba recriando uma figura literária, conferindo uma personalidade própria para Conselheiro, apresentando-o como um desequilibrado, louco. “Assim, se houve um culpado, teria sido Conselheiro, que teria arrastado aquelas pessoas à loucura. Mas nem ele poderia ser culpado, porque ele também estava louco”, explica Santos. “E isso funcionou muito bem.”

Para o biógrafo, essa narrativa não só foi bem aceita pela sociedade brasileira como também contribuiu para “aliviar a culpa”.

“O livro inaugurou uma linha argumentativa que vai fazer muito sucesso na historiografia e na política brasileira: os crimes sem criminoso”, comenta Santos.

O sucesso de Os Sertões virou alegria e tormento para Euclides da Cunha. Isto porque, de acordo com seu biógrafo, isso fez com que ele, transformado em personagem relevante no Brasil, “passasse o resto da vida tentando escrever uma outra obra com a mesma qualidade”. “Mas ele fica devendo. E isso o atormenta”, comenta.

Bernucci lembra ainda que é preciso reconhecer que Os Sertões também se apresenta como um livro importante na defesa de valores como os ideais democráticos e a preocupação ambiental. “Por fim, apesar das críticas que possam ser feitas, fica aqui a última pergunta: embora com algumas imperfeições, se Euclides não tivesse deixado esse magnífico legado histórico e literário para nós, preservando a memória de uma guerra absurda e cruel, quem poderia tê-lo feito?”

Crédito: Edison Veiga de Bled (Eslovênia) para a BBC News Brasil – @ disponível na internet 03/12/2022

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.