Policiais federais buscam reestruturação de carreiras e de salários junto ao governo

0
113
@reprodução /EXTRA

Policiais federais realizam investidas em Brasília para alcançarem a tão sonhada reestruturação de carreira, bem como uma recomposição salarial que mitigue as perdas de 51% nos vencimentos desde 2016.

A primeira solicitação, mais complexa, pode ser viabilizada em breve. Há uma portaria pré-aprovada do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) que estabelece as mudanças nas carreiras dos agentes federais. Mas está parada desde março; e a União não deu respostas a respeito da implementação. Um entendimento que corre nos bastidores é o de que a reestruturação precisa ser revista, para se enquadrar nas metas econômicas e orçamentárias do governo. Não é descartada uma revisão do plano já chancelado.

Já a solicitação de recomposição salarial na casa dos 50% parece irreal no momento. Nesta semana, o governo anunciou que não tem uma proposta de recomposição salarial consolidada para os funcionários públicos federais, que pedem em torno de 36%. A declaração foi do secretário do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), José Lopez Feijóo, em reunião com categorias do funcionalismo.

Para demonstrar a crucialidade do trabalho do policial federal, a classe realizou paralisações de 24 horas. Em uma delas, até o caso de investigação das joias sauditas, que envolve o ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL), foi afetado. Ali, acendeu-se um alerta ao governo de que é preciso dialogar com a categoria com mais parcimônia.

Por isso, houve um encontro com o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, no qual os funcionários disseram que houve um aumento da demanda dos policiais federais no combate ao crime nos últimos meses. Outro ponto reclamado é o aumento das funções no trabalho dos agentes, depois da publicação de um decreto que transferiu à PF a competência de registro e fiscalização dos clubes de tiro e de estabelecimento que realizam venda de armas. As atribuições foram feitas sem contrapartida salarial.

Neste clima de cabo de guerra, representantes dos servidores, liderados pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e membros do MGI e do MJSP se reunirão na próxima semana. Os sindicalistas esperam uma resposta definitiva.

Crédito: Gustavo Silva / Extra -@ disponível na internet 20/11/2023

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!