Inmetro: A regra de eficiência energética vai ficar mais rígida

0
149
@disponível na internet

Detalhe de selo de eficiência energética do Inmetro — Foto: Reprodução
Detalhe de selo de eficiência energética do Inmetro — Foto: Reprodução

Vai ficar mais caro?

No fim de 2023, uma resolução do Ministério de Minas e Energia mudou as regras desse processo para os fabricantes, restringindo a manufatura e venda de geladeiras pouco eficientes até 2025.

A nova regra diz que as geladeiras consideradas com baixa eficiência energética – selos C, D e E – poderão ser fabricadas até dezembro deste ano.

Os produtos que sobrarem em estoque podem ser vendidos nas lojas até o final de 2025.

Com isso, também surgiu um temor de que os preços iam aumentar.

De acordo com as marcas e com o próprio Inmetro, essas geladeiras que gastam mais – quase sempre aqueles refrigeradores de uma porta só, com congelador integrado – não vão sumir das lojas.

Os preços devem se manter na mesma faixa de hoje, dizem os fabricantes de geladeiras.

Os modelos com etiqueta A+++ mais em conta dos principais fabricantes têm preços que variam de R$ 2.900 (com duas portas) a R$ 6.800 (com três portas) nas lojas on-line consultadas no começo de fevereiro – veja a lista ao final da reportagem.

Para comparação, uma geladeira duplex com selo A (o menos eficiente entre os mais eficientes) custa na faixa dos R$ 3.000.

“Já estamos adequados às regras de maior eficiência (A+++) e nossos preços não vão aumentar por conta da mudança”, comenta Helbert da Silva, diretor de linha branca da Samsung.

“Com as novas regras, o consumidor vai ter produtos melhores para comprar”, resume Rodrygo Silveira, gerente de produto da LG.

“Qualquer aumento de eficência ou adaptação a novas regras traz um custo adicional ao produto, mas estamos trabalhando para não onerar o consumidor e achar outras soluções, para que uma coisa compense a outra”, explica Gabriel Silva, diretor de marketing da Whirlpool.

“O consumidor tem desejo de comprar o produto mais eficiente, mas compra o que cabe no bolso. As mudanças devem ocorrer sem se desvincular com a capacidade de poder aquisitivo”, avalia Jorge Nascimento, presidente executivo da Eletros.

O que vai acontecer em 2024 e 2025

A mudança na classificação do selo do Inmetro já estava planejada com os fabricantes para 2026 e 2030.

Porém, em dezembro de 2023, o Ministério de Minas e Energia publicou uma resolução, chamada de “Programa de Metas para Refrigeradores e Congeladores”, que apertou um pouco as regras para essas empresas.

Diz o ministério, em nota: “Os prazos definidos visam permitir que os fabricantes, importadores e comercializadores se adequem aos novos índices, e escoem os produtos já fabricados com os atuais índices”.

Nascimento, da Eletros, disse que a entidade conversa com o Ministério de Minas e Energia para renegociar esse prazo e seguir com o cronograma original – que inclui as mudanças no selo, mas não essa restrição de vendas.

O que vai acontecer em 2026

A classificação por selos de eficiência energética irá mudar em uma primeira consolidação de categorias.

  • Os produtos que eram A+++ e A++ se tornam A.
  • Os que eram os A+ e A, viram B.
  • Os B restantes se tornam C.
  • Categorias menos eficientes – D e E – deixam de existir.

O que vai acontecer em 2030

Uma nova reclassificação dos selos de eficiência energética, com os níveis passando a ficar mais próximos da faixa de selos dos produtos vendidos na União Europeia:

  • Etiquetas A e B serão as mais eficientes.
  • Etiquetas C, as menos eficientes – é algo equivalente ao A++ ou A+ de 2024.

Estimativa de eficiência de energia x selo de classificação — Foto: Luisa Rivas/g1
Estimativa de eficiência de energia x selo de classificação — Foto: Luisa Rivas/g1

Com as mudanças, vai ter menos opção de escolha nas lojas?

Segundo o Inmetro, o Brasil tem hoje 35 empresas que fabricam e vendem em torno de 500 modelos de geladeiras e freezers – o total inclui a variação de voltagem. Por conta disso, uma geladeira com versões em 127V e 220V conta como “dois” modelos na lista.

Desse total, apenas 8 aparelhos deixarão de ser vendidos a partir de 2026 com a nova classificação, de acordo com o instituto de verificação.

As fábricas precisam de adaptação para produzir geladeiras mais eficientes. O processo inclui modificar a linha de produção e ajustar o fornecimento de peças na cadeia de suprimentos.

E o consumidor vai ganhar a esperada economia na conta de energia no final do mês.

Grande parte das marcas já vende modelos com o maior nível de eficiência energética (A+++). E seus produtos “menos” eficientes ficam entre A e B.

Algumas delas fabricam no Brasil ou importam seus produtos já nos níveis máximos de eficiência energética, como Midea, LG, Panasonic e Samsung. Procurada, a Electrolux não comentou o tema.

“Desde 2017, as geladeiras da marca estão em conformidade com as regras de eficiência energética que serão aplicadas a partir de 2026”, comenta a Panasonic, em nota.

Outras, como Brastemp, Consul e Esmaltec, por exemplo, têm fábricas já adaptadas ou em processo de ajuste para as novas categorias de etiquetagem das geladeiras.

“O processo demanda investimentos em pesquisa e desenvolvimento, bem como na atualização do nosso parque fabril, para garantir que nossos produtos permaneçam competitivos e acessíveis ao nosso público-alvo”, diz Marcelo Campos, diretor geral da Esmaltec.

Silva, da Whirlpool, complementa ao afirmar que “até as nossas geladeiras de entrada são classificação A. O planejamento para as mudanças estava feito faz tempo”.

O que é eficiência energética?

A eficiência energética significa que um produto consome menos energia para realizar a mesma função que outro produto similar.

A longo prazo, ter um produto com melhor classificação de eficiência energética – que até pode custar mais caro – representa uma economia na conta de luz no final do mês.

O cálculo da eficiência energética envolve, entre outras coisas, a capacidade do refrigerador e o tamanho do freezer. Quanto mais alto for o resultado dessa conta, melhor o nível de eficiência energética e menor o consumo do equipamento.

Hoje, a “conta” para atingir um selo A fica em torno de 85,5% de eficiência energética. Em 2030, esse número vai saltar para perto de 90%.

 

Quanto maior for o número de classificação da geladeira, melhor é o seu nível de eficiência energética.

Baseado nesse valor, a geladeira ganha um selo, que hoje vai da classificação A+++ (mais eficiente) a E (menos eficiente).

“É uma métrica visual, pautada em ciência e engenharia”, explica Douglas Reis, diretor de ESG e assuntos regulatórios da Whirlpool, dona da Brastemp e Consul.

Só que essa classificação por selos, feita pelo Inmetro, era a mesma desde 2006 e precisava ser corrigida.

Em 2021, a classificação mudou e passou a contemplar novas faixas no topo da lista, incluindo A+++, A++ e A+, além de A, B, C, D e E.

Desde então, as fabricantes modificaram seus produtos para se tornarem mais eficientes.

“Era como se fosse uma prova de escola. Antes, a nota de corte era 3 e todo mundo passava de ano. Com o ajuste a partir de 2026, a nota de corte passa para 8”, compara Silveira, da LG.

Crédito / Henrique Martin /Portal do G1 – @ disponível na internet 19/02/2024


íntegra da matéria com uma lista de geladeiras com selo de eficiência energética A+++: >>> https://g1.globo.com/guia/guia-de-compras/geladeira-regra-de-eficiencia-energetica-vai-ficar-mais-rigida-e-tirar-alguns-modelos-das-lojas-veja-o-que-muda.ghtml

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!