Inmetro tem patente concedida na área de telecomunicações

1
432
Fernando Rodrigues, da Diretoria de Metrologia Científica, Industrial e Tecnologia (Dimci) do Inmetro

O pedido intitulado ao “Método e Sistema para a Construção de Constelações de Sinais Digitais para Sistemas Coerentes de Comunicação”, foi apresentado ao INPI, em 2020, e concedido no início deste ano.

Além disso, o Inmetro depositou outros dois pedidos de patente no INPI nos meses de setembro e novembro de 2023. Já a segunda diz respeito à metrologia de materiais, referente à transformação de lignina em nanocarbono, um precursor de grafeno.

Transmissão de dados

A patente concedida no início deste ano, refere-se a um método e a um sistema para transmitir dados de alto desempenho, que poderá ser aplicado na construção de constelações de sinais eletromagnéticos de alta eficiência, modulados em 4D.

Segundo Fernando Rodrigues, da Diretoria de Metrologia Científica, Industrial e Tecnologia (Dimci), do Inmetro, o sistema pode minimizar custos de operação nos serviços que demandam grande volume de dados, adequado para canais de comunicação que utilizam fibras ópticas, comunicações por satélite, barramentos ópticos de computadores, entre outros.

“A tecnologia permite a expansão do volume de dados transmitidos, otimizando a infraestrutura já disponível, gerando considerável economia de custos, permitindo, por exemplo, elevada eficiência energética, com uma redução de até 69% do consumo de energia em comunicações banda larga”, pontuou Fernando Rodrigues.

 

Biotecnologia

O primeiro dos dois pedidos de patente depositados pelo Inmetro, no INPI, em 2023, refere-se a partículas de resíduo de tiro – Gunshot Residues (GSR) – um método para análise morfométrica, obtida por meio do imageamento de estruturas por Microscopia Eletrônica de Varredura (MEV).

A tecnologia permite utilizar a análise do resíduo de tiro, na área forense, baseando-se no estudo de imagens, bem como, na seleção automática da melhor forma de processamento dessas imagens. Além disso, possibilita disponibilizar para os entes de Segurança Pública um banco de dados que possa auxiliar na identificação do tipo de munição a partir do resíduo de tiro.

“Uma das provas materiais essenciais para a investigação criminal em casos de homicídio ou suicídio é a identificação de resíduos de disparo de arma de fogo ou resíduo de tiro GSR. Por isso, a morfometria das partículas tem sido estudada para determinar qual tipo de munição foi utilizado no disparo da arma de fogo e se a composição da espoleta utilizada tem relação com a formação da partícula encontrada na cena do crime ou em partes do corpo do suspeito”, explica Renata Carvalho, pesquisadora da Divisão de Metrologia em Biologia (Dibio), do Inmetro.

Metrologia de materiais

A segunda patente depositada em 2023, diz respeito a um novo método de obtenção de nanoplacas de grafeno por meio de processamento de biomassas sem o uso de catalisadores metálicos e com a possibilidade de geração de energia renovável, como biogás ou biocombustíveis.

A patente foi protocolada em novembro de 2023, junto ao INPI, com o título: “Método de Transformação de Lignina em Carbono para Aplicação como Percursor de Grafeno e Nanocarbono”.

O trabalho vem sendo desenvolvido pelo Inmetro, por meio do Laboratório de Fenômenos de Superfície e Filmes Finos, que faz parte da Divisão de Metrologia de Materiais, contando com o suporte do Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto.

O resultado é fruto da orientação do aluno de graduação em Nanotecnologia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Douglas Rocha, coordenado pela chefe do Laboratório de Fenômenos de Superfície e Filmes Finos (Lafes) do Inmetro, Joyce Rodrigues de Araújo.

“Essa cadeia produtiva irá gerar valor aos resíduos de biomassa que muitas vezes são problemas ambientais para descarte ou armazenamento. Além de produzirmos o grafeno, material revolucionário na indústria dos nanomateriais, temos também um projeto com um olhar no carbono, devido à possibilidade de captura do gás de síntese, CO2 gerado em uma das etapas do processo, para produção de biogás”, esclarece Joyce Araújo.

Segundo ela, com esta abordagem, é possível realizar o total aproveitamento da biomassa, que atualmente é tratada como rejeito industrial, gerando em seu processo subprodutos de alto valor agregado, além da possibilidade de produção de energia térmica e biocombustíveis.

A tecnologia pode ser ainda aplicada em grandes fontes poluidoras, como nas indústrias metalúrgicas (aço e ferro), cimento, refinarias, entre outros.

Parcerias

O Inmetro busca, agora, parcerias com empresas que possam levar essas tecnologias ao mercado.

Caso sua empresa se interesse por algumas dessas tecnologias, entre em contato por meio do e-mail da Divisão de Inovação Tecnológica do Inmetro (Ditec): [email protected].

O Inmetro iniciou o ano de 2024 com um total de 14 patentes concedidas no Brasil. Outras seis patentes aguardam exame no INPI.

O Instituto também tem sete patentes concedidas no exterior e mais quatro aguardando exame em países estrangeiros, e nove registros de software.

Fonte: https://www.gov.br/inmetro/pt-br/centrais-de-conteudo/noticias/ inmetro-tem-patente-concedida-na-area-de-telecomunicacoes 28/3/2024

1 Comentário

  1. Parabéns aos nossos pesquisadores!!!
    Novas descobertas em estudos atuais demonstram a sociedade brasileira a importância dos laboratórios de pesquisa do Inmetro e ao mundo que o Brasil é uma Nação que possue competência técnica.
    Parabéns a todos!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!