Governo federal não vai fazer novas propostas a professores em greve

0
109
@reprodução internet

O secretário de Relações do Trabalho do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI), José Lopez Feijóo, afirmou que a proposta atual, com impacto orçamentário de R$ 6,5 bilhões em 2026, é o limite do governo.

A pasta reafirmou que não avançará além da oferta já entregue às entidades sindicais.

Na esteira dessa afirmação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reúne nesta semana com reitores das universidades e institutos federais, para tentar colocar um fim à greve nas instituições, que já ultrapassou dois meses de duração.

A principal abordagem será a de explicar as complicações orçamentárias que impossibilitam um reajuste ainda em 2024, principal pedida dos grevistas.

Proposta

De acordo com a oferta federal, os reajustes serão distribuídos da seguinte forma: 0% em 2024, 9% em 2025 e 3,5% em 2026.

Além disso, haveria uma majoração nos chamados “steps” — progressões de carreira — de 4,5% em 2025 e de 5% em 2026. Para as classes D I e D II, seria estabelecida uma classe única com um nível, que levaria três anos para progredir para o próximo nível.

Reclamações

A indignação dos grevistas é direcionada à demora do governo em responder às propostas apresentadas pelas entidades representativas. O entendimento dentro da categoria é o de que o governo federal, que se elegeu com forte bandeira voltada à Educação, deixou de lado o funcionalismo.

Por isso, além de questões salariais dos funcionários da Educação, há exigência, também, de mais investimento nas estruturas dos locais de ensino.

Crédito: Gustavo Silva / EXTRA – @ disponível na internet 8/6/2024

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!