Funcionários manifestam compromisso com a recuperação da Unimed-Rio

13
1471

Além dos 400 cooperados que já participaram do Programa Voluntário, gerando uma contribuição de R$ 15 milhões nos últimos 10 dias, os colaboradores que ficam na sede da Unimed-Rio também manifestaram seu compromisso com a recuperação da empresa. Na manhã desta sexta-feira, mais de 400 funcionários vieram trabalhar de camisa verde e realizaram um grande abraço à cooperativa como demonstração do empenho e da confiança na marca.

Também houve mobilização em outros espaços administrativos da cooperativa, bem como nas unidades da rede própria.

“Nós acreditamos e estamos empenhados para recuperar a Unimed-Rio. A marca é muito querida e tem uma importância muito grande para a cidade. Com a união de colaboradores e médicos cooperados entendemos que a empresa retomará rapidamente o caminho do sucesso”, diz Alex Mendes, presidente da Associação dos Funcionários da Unimed-Rio.

Sob direção fiscal da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) desde o ano passado, a Unimed-Rio tem um passivo (ou seja, dívidas e outros compromissos) que totalizam R$ 1,9 bilhão, já o ativo é de R$ 1 bilhão.

Apesar do agravamento da crise, com a negativa de aporte de R$ 500 milhões pelos cooperados, em assembleia realizada no fim do mês passado, a coordenadora do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon), da Defensoria Pública do Estado, Patrícia Cardoso Tavares, em entrevista à “Defesa do Consumidor” do GLOBO, no último dia 3, disse não recomendar que os beneficiários da Unimed-Rio deixem o plano de saúde. Ela lembrou que “em caso de liquidação extrajudicial, o usuário está protegido pela portabilidade extraordinária”.

Crédito: matéria publicada dia 14/10/2016 no jornal Extra e no O Globo – disponível na web 17/10/2016 

CREMERJ recebe nova diretoria financeira da UNIMED-RIO

Membros da diretoria do CREMERJ receberam nesta terça-feira, 11, em sua sede, o representante financeiro da nova diretoria da Unimed-Rio, o médico Willian Ferreira Rebouças Galvão, para informar as ações de recuperação da cooperativa.

O Conselho como instituição de defesa do médico e da população do Estado do Rio de Janeiro, reforça o seu entendimento da importância da cooperativa para a assistência médica aos cidadãos e para o trabalho médico.

O CREMERJ sabe da relevância da Unimed-Rio e se coloca à disposição para implementar as ações em defesa da cooperativa.

Estiveram presentes os conselheiros do CREMERJ Pablo Vazquez, Renato Graça,Nelson Nahon, José Ramon Blanco, Serafim Borges Carlos Enaldo de Araújo, Ana Maria Cabral e Ricardo Bastos.

Crédito: matéria publicada dia 13/10/2016 na página do CREMERJ  – disponível na web 17/10/2016

ANS recomenda que Unimed-Rio passe clientes para outros; saiba o que fazer

Em meio a uma crise financeira, a operadora de saúde Unimed-Rio pode estar próxima de um desfecho semelhante ao da Unimed Paulistana, que quebrou no ano passado e foi obrigada, pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), a transferir seus clientes para outra operadora. A Unimed-Rio tem 873.471 clientes, segundo o site da ANS.

A ANS informa que vinha alertando a Unimed-Rio sobre sua situação financeira desde agosto de 2014. A partir de março de 2015, a agência colocou uma pessoa dentro da cooperativa para acompanhar suas operações (é o chamado regime de direção fiscal).

Como “a operadora não apresentou as medidas necessárias” e devido à “falta de perspectiva”, em 4 de outubro a ANS recomendou que a Unimed-Rio venda sua carteira de clientes para outra empresa. Foi sugerido um prazo de 30 dias. A principal preocupação, segundo a agência, “é proteger os consumidores”.

Por enquanto, é apenas uma recomendação, não uma exigência. A cooperativa pode apresentar alternativas para sua recuperação.

Em nota, a Unimed-Rio disse que apresentou “uma nova versão do Programa de Saneamento”. “A atual diretoria realizou ajustes no documento produzido pela gestão anterior, incluindo novas medidas para solucionar as questões econômico-financeiras da cooperativa”, afirma, em nota. “Neste sentido, a Unimed-Rio tem plena convicção de sua recuperação e vem mantendo uma agenda intensa de reuniões com diversos parceiros.”

A Unimed do Brasil, que representa institucionalmente o Sistema Unimed, composto por 349 cooperativas, também se pronunciou em nota. “A Unimed do Brasil, dentro de suas funções institucionais e alinhada à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), apoia a Unimed-Rio para que esta cooperativa continue prestando seus serviços à comunidade, e confia que os eventuais desafios serão superados.”

O que pode acontecer com a Unimed-Rio?

Situação 1: Unimed-Rio apresenta uma saída

Dentro do prazo de 30 dias dado pela ANS, a operadora precisa apresentar uma solução para o problema, que pode ser a permanência dos clientes no sistema Unimed ou acordo para vender a carteira de clientes para outra empresa, afirma o advogado especialista em Direito à Saúde Rodrigo Araújo.

Nesse caso, diz o especialista, o cliente tem o direito de exigir da nova operadora a manutenção do mesmo valor de mensalidade, da carência e da rede de atendimento oferecida pela Unimed-Rio.

Situação 2: Unimed-Rio NÃO apresenta solução

Caso o prazo de 30 dias termine sem uma solução, a ANS pode determinar a venda compulsória da carteira de clientes, segundo Araújo.

Nesse caso, serão dados mais 30 dias para que qualquer operadora no mercado faça uma oferta para comprar todos os clientes da Unimed-Rio.

O cliente também tem o direito de exigir da nova operadora a manutenção do mesmo valor de mensalidade, da carência e da rede de atendimento oferecida pela Unimed-Rio, diz Araújo.

Situação 3: nenhuma empresa quer comprar

Se nenhuma outra empresa decidir comprar toda a carteira de clientes da Unimed-Rio, a ANS pode escolher entre duas opções:

– dividir essa carteira de clientes em lotes (planos empresariais, individuais, familiares etc.) e tentar vendê-los novamente;

– selecionar algumas operadoras, que ficam obrigadas a receber os clientes da Unimed-Rio (é a chamada portabilidade);

– permitir que o consumidor da Unimed-Rio escolha a nova operadora e obrigá-la a aceitá-lo.

“Na portabilidade, a nova operadora não pode recusar o cliente e ele não precisa cumprir prazo de carência”, diz Araújo. “No entanto, o cliente passa a pagar um novo valor e tem acesso a uma rede credenciada (hospitais, médicos e laboratórios) diferente da que tinha antes.”

Qual a recomendação para os atuais clientes?

Para quem é cliente da Unimed-Rio, o advogado recomenda permanecer com o plano atual. Caso ela seja obrigada a repassar sua carteira de clientes a outra empresa, os consumidores conseguem fazer a mudança sem precisar cumprir novos prazos de carência.

Crédito: Afonso Ferreira/ UOL publicado dia 14/10/2016

13 Comentários

  1. PENSO QUE, SE NÃO HOUVER UMA SOLUÇÃO CAPAZ DE SALVAGUARDAR O PLANO DE SAUDE GERENCIADO PELO ASMETRO NOS NIVEIS QUE FORAM CONTRATADOS ANTERIORMENTE, HAVERA UMA GRANDE DEBANDADA DE ASSOCIADOS DO ASMETRO, POIS ESTE SERVIÇO É O MAIOR ATRATIVO QUE MOVE O PAGAMENTO DA MENSALIDADE QUE DESCONTAMOS PARA O NOSSO SINDICATO.
    FOLGO E TORÇO VEEMENTEMENTE PARA QUE NA REUNIÃO DO DIA 08/11 O ASSUNTO TENHA UM FINAL FELIZ PARA TODOS OS ASSOCIADOS.

  2. Quais alternativas tenho para mudar de Plano nas mesmas condições de preço atuais e sem nenhuma carência?
    É obrigação da direção da Asmetro orientar seus associados que pagam regiamente a mensalidade ao Sindicato.
    Acho estranho este tipo de resposta.É obvio que se quiser mudar de Plano eu posso desde sem carência e nas mesmas condiçoes iniciais que me eram oferecidas no Plano Delta que optei a mais de não sei qtos anos.
    Voces podem responder-me com a presteza necessária, já que não conseguiram ate agora responder a minha indagação anterior do dia 18 de outubro?

    • Prezado Carlos Eduardo Camargo

      O sindicato vai realizar uma AGE no dia 08/11/2016 para tratar dos planos de saúde disponíveis para os servidores do Inmetro.
      Esperamos que lá possamos elucidar suas duvidas.

      ASMETRO-SN

    • Prezado Carlos Eduardo

      Estamos diuturnamente pesquisando soluções alternativas para continuar atendendo nossos associados com qualidade e segurança, presteza e dentro das normativas da ANS que regem as operadoras de planos de saúde. Neste trabalho, juntam-se a nós CVM e INPI.
      Importante salientar que o nosso plano é de ADESÃO VOLUNTÁRIA, o servidor não é obrigado a ficar na Unimed-Rio, pode optar por uma outra operadora sem ter que continuar no contrato da IBBCA/UNIMED/ASMETRO-SN.
      De qualquer modo reiteramos o pedido feito aos associados do plano ASMETRO-SN: caso algum associado tenha sugestão viável de outro plano, estamos a disposição. Entendemos e agradecemos a participação e preocupação de todos com relação a busca de alternativas ao nosso atual contrato.
      ASMETRO-SN

  3. Que prazo o Asmetro tem em suas tratativas e planejamento como mínimo e máximo para informar aos seus sindicalizados a tomada de decisão? Temos pessoas idosas em nosso plano atual que não podem prescindir de urgência em eventual hospitalização em hospitais minimamente estruturados e reconhecidos pela classe médica, exemplo da Casa de Saúde São José

    • Na fase de avaliação da nossa carteira.
      O ASMETRO-SN disponibilizou e disponibiliza todos os atos que estão vinculados as negociações na página da internet >plano de saúde> notas e informações,
      as informações também estão disponibilizadas nas atas de assembleia e nos relatos do Grupo Gestor do plano de saúde IBBCA/UNIMED/ASMETRO-SN.
      Operadoras contatadas : Bradesco Saúde, Amil, CEF Saúde e Sul America. Não temos ainda resultados para informar.
      ASMETRO-SN

    • Prezado Tomas

      A nossa posição em relação ao plano de saúde é a mesma da ANS.
      O ASMETRO-SN está buscando no mercado outras operadoras para atender aos nossos sindicalizados.
      Att
      ASMETRO-SN

  4. Eu recomendo a Diretoria do Asmetro que adote ações administrativas imediatas no sentido da resolver esta situação( os melhores hospitais descredenciados) que pode prolongar-se por muito tempo, independentemente da recomendação da Defensoria Pública no sentido de não haver de imediato o rompimento do contrato com a Unimed, quando é obvio que o passivo da Unimed que é quase duas vezes o seu ativo imobilizado, não tem como saldar seus débitos. Além disso, a ANS propugna por uma solução obvia de procurar-se o ingresso em outro Plano por entender que a situação financeira da Unimed é irreversível.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.