PL 6621/2016: Proposta de Lei Geral das Agências Reguladoras agora será analisada pelo Plenário

4
1323
O projeto tramitava em regime conclusivo, o que dispensava a análise do Plenário da Câmara; dezenas de parlamentares, no entanto, recorreram para mudar a tramitação do texto

A proposta de Lei Geral das Agências Reguladoras (PL 6621/16), do Senado, será analisada pelo Plenário da Câmara. Deputados apresentaram recursos para que o texto, aprovado em julho por uma comissão especial, perdesse o caráter conclusivo.

O prazo para apresentação de recurso foi encerrado na última quarta-feira (4). Os deputados Margarida Salomão (PT-MG) e Henrique Fontana (PT-RS) conseguiram o apoio de 64 parlamentares (REC 322/18); e o deputado Fábio Trad (PSD-MS), de 71 (REC 323/18). O Regimento Interno da Câmara exige um mínimo de 52 assinaturas para mudar a tramitação de uma proposta.

Criadas para fiscalizar a prestação de serviços públicos por empresas, as agências reguladoras controlam a qualidade dos serviços e estabelecem regras para setores como petróleo, telefonia, energia elétrica, medicamentos, alimentos, planos de saúde e transporte de passageiros.

O relator na comissão especial, deputado Danilo Forte (PSDB-CE), manteve a essência da proposta aprovada pelo Senado: unificar as regras sobre gestão, poder e controle social das agências reguladoras. O projeto pretende garantir a autonomia dessas autarquias, dar mais transparência à atividade regulatória e estabelecer medidas para evitar a interferência do setor privado.

Modificações
No entanto, durante a votação do substitutivo de Danilo Forte, os integrantes da comissão especial aprovaram três mudanças, entre elas um dispositivo que revoga itens da Lei de Responsabilidade das Estatais (13.303/16) e causou polêmica.

Esse dispositivo elimina a atual proibição de indicar, para a diretoria ou para o conselho de administração de empresa estatal, pessoa que tenha atuado, nos 36 meses anteriores, “como participante de estrutura decisória de partido político ou em trabalho vinculado a organização, estruturação e realização de campanha eleitoral”.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA:

Agência Brasil de Notícias 18/09/2018

NOTA do ASMETRO-SN :

  • Os dois recursos não questionam a aprovação do Inmetro no rol das autarquias especiais.
  • Os dois recurso foram protocolados contra decisão do colegiado que revoga itens da Lei de Responsabilidade das Estatais (Lei 13.303/16  – possibilidade de indicações políticas para cargos de direção das autarquias) 
logo asmetro

ASMETRO-SN 18/09/2018

4 Comentários

    • Prezado Luciano
      A equipe liderada pelos servidores Jorge Cruz (Caint) e Marco Aurélio (CGCRE) enviaram dia 14 de agosto de 2018 a Minuta da Mediada Provisória e a documentação para regularização do marco legal do INMETRO ao MDIC para ser encaminhada á Casa Civil.
      O documentos foram enviados através do Oficio 236/2018/Presi-Inmetro/SEI/Inmetro – 0146923 – com os seguintes anexos
      I – Parecer de Mérito (SEI nº 0146924).
      II – Exposição de Motivos (SEI nº 0146926).
      III – Minuta de Medida Provisória (SEI nº 0146927).
      IV – Anexo à Exposição de Motivos (SEI nº 0146928).
      V – Parecer jurídico (SEI nº 0146929).
      O diligenciamento desta ação está a cargo da Administração do Inmetro

      ASMETRO-SN

  1. À Asmetro-SN

    Prezados,
    Por favor, gostaria de ver a tabela de salários das agencias reguladoras… Nunca tive acesso e pelo que já constatei, no Grupo de ZAP/aposentados, a maioria dos aposentados também não tem conhecimento e questionam… Pode mandar por meu e-mail?

Deixe um comentário para rute camargo boorges Cancelar Resposta

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.