Da relevância do acordo nuclear Brasil-Alemanha para o Inmetro

1
406
@manchete da Folha de São Paiulo do dia 28/06/1975

Lições da área nuclear aplicáveis ao Inmetro, quanto à busca da excelência

O Acordo Nuclear Brasil-Alemanha, celebrado entre esses dois países em 1975, para a construção de oito centrais nucleares para a produção de energia elétrica, com transferência de tecnologia de todo o ciclo do combustível nuclear, significou um grande salto tecnológico para o Brasil, já que a utilização responsável da energia nuclear pressupõe a busca da excelência.

Fruto do Acordo Nuclear, o Inmetro saltou em poucas décadas de um “pequeno laboratório de calibração” para um “instituto nacional de metrologia líder em nível internacional”.

É de se destacar também o nível de excelência das empresas alemães e das brasileiras que implementaram o Acordo Nuclear Brasil-Alemanha, o que tem resultado em usinas nucleares seguras nos dois países.

Tendo trabalhado no Programa Nuclear, na Nuclen[1], por treze anos, dos quais dois anos e meio na empresa KWU[2] na Alemanha, sou testemunha do nível de excelência das empresas do setor, assim como de todas as atividades direta ou indiretamente decorrentes do Acordo Nuclear descritas neste artigo.

Para atingir o nível de excelência pretendido, inclusive na indústria nacional, fornecedora de equipamentos para as centrais nucleares, a Nuclebrás[3] (então a holding estatal do setor) introduziu no Brasil a Garantia da Qualidade (conceito que no setor nuclear assume uma dimensão muito maior daquela que ocorre em outras áreas) e a certificação CQE – Certified Quality Engineer pela ASQ – American Society for Quality, um sistema que prevê, para sua manutenção, recertificações trianuais, quando o exercício profissional nos últimos três anos do detentor dessa certificação é avaliado pela ASQ, para verificar se este foi profissionalmente engrandecedor (“job enhancing”) ou aumentou o conhecimento no escopo coberto por essa certificação, que compreende atividades altamente significativas para o Inmetro.

Tendo sido certificado como CQE pela ASQ em 1977 e tendo sido recertificado por 30 anos (quando optei pelo status de “retired”), posso afirmar que essa certificação foi e continua sendo altamente relevante nos dias de hoje para o Inmetro e para a sociedade, de maneira geral.

A Garantia da Qualidade foi o embrião no Brasil e no mundo de um enfoque que se ampliou até chegar aos critérios de excelência, cujo maior exemplo é o Malcolm Baldrige Quality Award, a maior homenagem conferida pelo Presidente dos EUA às organizações norte-americanas pela excelência em desempenho, tendo critérios estabelecidos pelo NIST – National Institute of Standards and Technology e sendo administrado pela ASQ.

Luiz Carlos Arigony

De fato, a preocupação com a qualidade e com a excelência no setor nuclear brasileiro criaram a ambiência que permitiu que, anos após a assinatura do Acordo Nuclear com a Alemanha, o Brasil viesse a ter uma expressiva participação em importantes marcos na história da Qualidade no Brasil, como a participação brasileira na normalização internacional na ISO, principalmente nos comitês técnicos TC 176 (Gestão da Qualidade) e TC 207 (Gestão Ambiental), assim como no CASCO (Avaliação da Conformidade), onde eu mesmo inicialmente participei e por fim coordenei a participação brasileira em um total de 12 anos, de 1994 a 2006, tendo participado de inúmeras reuniões internacionais na sede da ISO (International Organization for Standardization) em Genebra, Suíça.

Deve-se destacar que os documentos normativos elaborados pelo CASCO e posteriormente publicados pela ABNT, norteiam os trabalhos de três UP (Unidades Principais) do INMETRO: CGCRE – Coordenação Geral de Acreditação, DIMCI – Diretoria de Metrologia Científica e Industrial e DCONF – Diretoria de Avaliação da Conformidade.

Neste artigo são apresentados também outros frutos importantes no Brasil da busca da excelência, induzida direta ou indiretamente pelas empresas brasileiras e alemães envolvidas com o setor nuclear brasileiro. Alguns cumpriram seus papéis e não se aplicam mais.

Duas iniciativas, no entanto, continuam absolutamente atuais e deveriam ser implementadas pelo Inmetro: os critérios do Malcolm Baldrige, assim como a certificação CQE pela ASQ.

Por outro lado, no mundo inteiro as organizações responsáveis pela Infraestrutura da Qualidade[4] devem buscar a excelência, já que quem estabelece regulamentações e normas, assim como quem fiscaliza, audita e concede acreditações, entre outras atividades, procurando sempre estabelecer a confiança da sociedade em produtos e serviços, deve dar o exemplo. (2)

Assim, a busca da excelência é também uma das características das melhores organizações responsáveis em seus países pela Infraestrutura da Qualidade.

A busca da excelência pelas organizações responsáveis pela Infraestrutura em Qualidade de um país é bastante evidente no NIST – National Institute of Standards and Technology e no PTB – Physikalisch-Technische Bundesanstalt, os dois mais famosos institutos de metrologia do mundo. Basta ver que no NIST tem trabalhado vários agraciados pelo Prêmio Nobel (https://www.nist.gov/nist-and-nobel). De forma similar 13 detentores do Prêmio Nobel, tem atuado no Conselho Consultivo do PTB ao longo de sua história, entre eles Albert Einstein e Max Planck (15). Não por acaso, o NIST também desenvolveu e mantém os critérios de excelência do Malcolm Baldridge Quality Award, um dos três mais famosos critérios de excelência do mundo.[5]

Resumindo, o Acordo Nuclear Brasil-Alemanha colocou o Inmetro na rota da busca da excelência, já trilhada em diversos setores em vários países, como pelos mais adiantados institutos de metrologia do mundo, entre eles o PTB e o NIST.

Conclui-se que, decorrência do alto nível de excelência das empresas brasileiras e alemãs que implementaram o Acordo Nuclear, e de suas interações no cenário nacional, o setor nuclear foi, circunstancialmente (porque não era esse o seu objetivo), o indutor da busca da excelência no Brasil como um todo, e não apenas no setor nuclear brasileiro.

No entanto, o Inmetro, sendo já há décadas o principal responsável pela Infraestrutura da Qualidade no Brasil, e levando-se em conta o alto nível do seu corpo técnico, é a organização brasileira melhor posicionada para resgatar toda a experiência exitosa e relevante, direta ou indiretamente decorrente do setor nuclear brasileiro para, somada a sua própria experiência, levar adiante a busca da excelência no próprio Instituto e no Brasil.

Conclui-se também que o NIST, assim como a ASQ, deveriam ser fontes de contato do Inmetro para implementação no Instituto dos critérios do Malcolm Baldrige National Quality Award e para sua difusão no Brasil. Ressalta-se que o Malcolm Baldrige não deve ser implementado como mera forma de relato, que é apenas a ponta do iceberg, mas como oportunidade de profunda reflexão e comparação com benchmarks, como organizações “classe mundial” e os melhores do setor, visando a busca da excelência. 

Em termos de certificação de pessoal, o Inmetro deveria incentivar o seu quadro de analistas e pesquisadores-tecnologistas em metrologia e qualidade a se submeterem ao processo de certificação como CQE – Certified Quality Engineer, se esses atenderem os pré-requisitos da ASQ, oferecendo os programas de capacitação necessários. Isso permitiria a ampliação dos conhecimentos do seu corpo técnico e credibilidade maior ainda do Inmetro face a seus congêneres estrangeiros.

Além disso, a aproximação do Inmetro com a ASQ permitiria ao Instituto acesso a inúmeras informações relevantes para a melhoria do seu desempenho, através de congressos, cursos e outros meios, permitindo. que o Instituto se colocasse na vanguarda da Infraestrutura da Qualidade e da excelência organizacional no mundo.

Tais iniciativas se relacionam à busca da excelência, que vai muito além do cumprimento de requisitos de normas e de acordos de reconhecimento mútuos, sem nenhum demérito para estes.

Leia a íntegra do artigo >>> Da relevância do acordo nuclear Brasil-Alemanha para o Inmetro

Crédito: Luiz Carlos Arigony – 26/10/2021

1 Comentário

  1. Adorei, parece exagero, mas não é.
    Parabéns Arigony!
    Seu texto conta com veracidade o crescimento e a conquista da respeitabilidade do Inmetro.
    Você contou a história em poucas palavras de muito trabalho de uma equipe jovem, recém formados, mas com objetivo e comprometimento com o desenvolvimento e proteção da sociedade brasileira.
    Parabéns!!
    Felicidades.
    Regina Vimercati

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.