Entenda o fenômeno El Niño e La Niña

0
62
Ondas de calor pode impulsionar incêndios florestais como os que aconteceram na Europa no ano passado Foto: AP Photo/picture alliance

Pesquisadores previram possibilidade do retorno do fenômeno El Niño em 2023. E com ele, a ocorrência de eventos extremos climáticos que impactam o clima em todo o mundo.

A desaceleração dos ventos sobre o Oceano Pacífico desencadeia uma cadeia de eventos que pode resultar em fortes chuvas na Califórnia, ondas de calor na Europa e secas que devastariam as colheitas do Brasil à Indonésia.

No primeiro semestre de 2023, alguns cientistas disseram esperar exatamente esse cenário em este ano, embora eles tenham tido a cautela de afirmar que não podiam saber com certeza se isso se concretizaria até maio. Um estudo publicado em 19 de abril – que usou métodos estabelecidos, mas não foi revisado por pares – estimou que o clima quente padrão do El Niño tinha 90% de chances de retornar neste ano.

“Previmos que será um evento de moderado a forte – acima de 1,5°C”, afirmou o principal autor do estudo Josef Ludescher, do Instituto de Pesquisa do Impacto Climático de Potsdam, na Alemanha.

Ocorrendo posteriormente a três anos de clima frio padrão do La Niña, tais mudanças tornariam as ondas de calor mais quentes e interromperiam os padrões climáticos em todo o mundo. Há tempos, cientistas lutam para descobrir qual é o papel desempenhado pelas mudanças climáticas.

“O El Niño é responsável por muitos extremos”, afirmou Regina Rodrigues, oceanógrafa da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). “Todos os países, de uma forma ou de outra, são afetados”, acrescentou a pesquisadora que não participou do estudo.

Como funcionam os fenômenos El Niño e La Niña

El Niño e La Niña são nomes para padrões complexos de ventos e temperaturas no Oceano Pacífico. Os ventos no oceano podem ter três fases. A primeira é neutra, e eles sopram do leste para o oeste. Outra é o El Niño, onde eles desaceleraram ou até param. E, a terceira é a La Niña, onde sopram mais forte.

Dá para pensar no Oceano Pacífico, que cobre um terço da Terra, como uma banheira de água fria com um ventilador próximo das torneiras. Ao abrir a torneira de água quente por alguns poucos segundos e ligar o ventilador, a brisa jogará um jato de água quente para o fim da banheira. Nos anos “regulares”, é assim que os ventos empurram o calor da América do Sul para a Ásia.

Mas, durante o El Niño, mudanças no calor e na pressão desligam o ventilador. A água quente permanece na região da torneira, acumulando mais água quente no meio da banheira – na realidade, no oceano e próximo da América do Sul. Isso impulsiona a evaporação e a formação de nuvens em locais que normalmente não são esperados.

Pastor com cabras em região seca do Marrocos
Seca deve impactar diretamente nas safras de vários países do mundoFoto: FADEL SENNA/AFP/Getty Images

“De repente, há grande quantidade de chuva perto da costa do Peru”, exemplifica Erin Coughlan de Perez, autora do último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e pesquisadora do Centro Climático da Cruz Vermelha. “São despejos de água sem precedentes num local que costuma ser bastante seco.”

Os efeitos do El Niño se estendem acima do Oceano Pacífico e pelo resto do mundo. Eles alteram as rotas das correntes de jato – ventos fortes muito acima do solo – que viajam pelo planeta guiados pelas chuvas.

“As nuvens altas cutucam a atmosfera e desencadeiam ondas [atmosféricas]. Isso perturba o clima em todos os lugares”, detalha Rodrigues.

As mudanças climáticas e El Niño e a La Niña

O El Niño e a La Niña são fenômenos naturais. Os cientistas ainda não entendem completamente suas causas, mas sabem, pelos recifes de corais e pelos anéis das árvores, que eles sempre variaram. Há alguma evidência de que eles ficaram mais fortes – eventos mais fortes do El Niño foram registrados nas últimas poucas décadas –, mas não está claro se isso é apenas casual.

O IPCC descobriu que há “pouca confiança” de que o aquecimento global já tenha mudado os eventos do El Niño. Alguns modelos de computador mostram o fenômeno mais forte no futuro, enquanto outros o veem ficando mais fraco.

Mas o IPCC também descobriu que os efeitos dos eventos extremos do El Niño e da La Niña provavelmente serão mais fortes à medida em que o planeta esquentar.

Como o ar mais quente pode absorver mais umidade, o mesmo evento El Niño significa que mais chuva cai localmente, afirma Ludescher. O ar pode conter 7% a mais de vapor de água para cada 1°C que o planeta esquentar. Ao queimar combustíveis fósseis e destruir as florestas, a humanidade já aumentou a temperatura da Terra em 1,2°C desde a Revolução Industrial.

Impactos do El Niño e La Niña nas mudanças climáticas

As temperaturas da superfície global aumentam 0,1°C durante os anos de El Niño. Nos anos de La Niña, elas caem na aproximadamente no mesmo padrão. Isso ocorre porque menos água fria é puxada das profundezas do oceano próximo ao Peru durante o El Niño, deixando mais água quente na superfície. Isso aumenta a temperatura das superfícies.

Um retorno do El Niño em 2023 significa a possibilidade de as temperaturas médias globais ultrapassarem 1,5°C – o nível no qual os líderes mundiais prometeram tentar conter o aquecimento global até o final do século. Ainda assim, a longo prazo, um aumento nas temperaturas pelo fenômeno não tornaria a humanidade menos propensa a alcançar suas metas climáticas, que dependem do corte da emissão de gases do efeito estufa. Mas o calor extra pode, a curto prazo, prejudicar as pessoas, plantas e animais.

Os recifes de corais, por exemplo, devem diminuir de 70 a 90% se o aquecimento global passar de 1,5°C. Ultrapassar esse limite, mesmo que por pouco tempo, poderia ter consequências permanentes. “Alguns corais podem não sobreviver a isso. E se eles estiverem mortos, eles não voltam”, pontua Ludescher.

Por que El Niño e La Niña são importantes?

Muitas previsões meteorológicas sazonais dependem da previsão correta de fase – e de força – do El Niño e da La Niña. A informação pode ser muito útil para todos, desde planejadores urbanos a agricultores.

“Isso não é apenas interesse teórico: é uma informação útil”, afirma Perez. Serve, por exemplo, para governo locais fazerem planos de alerta precoce para ondas de calor e criar sistema de proteção para idosos, que correm maior risco de morrer. “Isso é sobre nós e nossa preparação, e como sobrevier num mundo em aquecimento”.

Crédito: Ajit Niranjan / Deutsche Welle – @ disponível na internet 19/10/2023


“Perda de água é alerta para as mudanças climáticas”

 

Brasil concentra maior volume de água doce do mundo, mas vem secando nas últimas décadas. Para especialista, redução indica aquecimento global em curso.

www.dw.com/pt-br/perda-de-%C3%A1gua-%C3%A9-alerta-para-as-mudan%C3%A7as-clim%C3%A1ticas/a-65076044

Entre 1985 e 2022, a superfície de água no Pantanal diminuiu 81,7% Foto: Philipp Lichterbeck/DW
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!