Joyce Rodrigues de Araújo, pesquisadora do Inmetro é uma das 7 brasileiras vencedoras do prémio “25 Mulheres na Ciência Américas”:

2
1444
Joyce Rodrigues de Araújo,@ reprodução inmetro

Pesquisadora do Inmetro ganha prêmio 25 Mulheres na Ciência

Joyce Araújo participou do concurso com o Método para obtenção de Nanoplacas de Grafeno. Edição de 2024 contou com 25 mulheres da América Latina e Canadá
 

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) comemora a conquista da pesquisadora Joyce Rodrigues de Araújo, uma das sete brasileiras a receber o prêmio “25 Mulheres na Ciência” de 2024.

Com o tema Sustentabilidade, neste ano o programa convocou 25 mulheres da América Latina e passou a abrir a oportunidade também a participantes do Canadá.

A chefe do Laboratório de Fenômenos de Superfície e Filmes Finos (Lafes) do Inmetro, Joyce Araújo participou com o trabalho “Método para obtenção de Nanoplacas de grafeno por meio de processamento de biomassas cuja perspectiva é a geração de energia renovável, como biogás ou biocombustíveis.

A pesquisa de Joyce Araújo, que tem patente protocolada no Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI vem sendo desenvolvida pelo Inmetro, por meio do Laboratório de Fenômenos de Superfície e Filmes Finos. O Lafes faz parte da Divisão de Metrologia de Materiais e conta com o suporte do Núcleo de Inovação Tecnológica do instituto.

“Além de produzirmos o grafeno, material revolucionário na indústria dos nanomateriais, temos também um projeto com um olhar no carbono, devido à possibilidade de captura do gás de síntese, CO2 gerado em uma das etapas do processo, para produção de biogás”, explica a pesquisadora premiada.

Segundo ela, com o método de nanoplacas de grafeno, é possível realizar o total aproveitamento da biomassa, que atualmente é tratada como rejeito industrial, gerando em seu processo subprodutos de alto valor agregado, além da possibilidade de produção de energia térmica e biocombustíveis.

Joyce Araújo é servidora de carreira do Inmetro. Formada em química pela Unicamp e tem pós-doutorado em “Ciência dos Materiais” e “Nanotecnologia”.

Estudo sobre a obtenção de nanoplacas de grafeno por meio de processamento de biomassas, da pesquisadora do Inmetro, Joyce Araújo, foi agraciado com o prêmio “25 Mulheres na Ciência” de 2024

Mulheres na ciência

O prêmio 25 Mulheres na Ciência é promovido anualmente pela empresa 3M desde 2020, para reconhecimento das mulheres que estão melhorando e impactando suas comunidades e o meio ambiente através da ciência.

Desse modo, a 3M premia trabalhos dedicados à metodologia STEM (Science, Tecnology, Engieering and Matematics), que foca em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

As participantes registraram seus projetos até 27 de fevereiro de 2024. O resultado oficial está divulgado a partir desta quinta-feira (11) no site da empresa.

Consagração

Segundo a pesquisadora, o prêmio 25 Mulheres na Ciência, promovido pela 3M representa a consagração da sua carreira científica.

“Após a formação em química, sempre me envolvi em pesquisas relacionadas a materiais sustentáveis e aproveitamento eficiente dos recursos naturais. Desta forma, o tema do concurso me motivou a realizar a inscrição por ser o assunto uma das minhas paixões, sendo que desde a iniciação científica trabalho com assuntos relacionados ao uso de materiais alternativos para remediação de problemas ambientais, reciclagem, uso de fibras vegetais em compósitos e promoção da sustentabilidade”, disse Joyce Araújo.

Para o presidente do Inmetro, Márcio André Brito, a premiação da pesquisadora é uma importante conquista para o instituto, pois, incentiva ainda mais as mulheres que trabalham na área.

“O campo da ciência e tecnologia é uma área desafiadora dada as condições atuais das mulheres no mercado de trabalho e seus inúmeros papéis sociais. O Instituto se alegra tendo uma representante no prêmio que elencou projetos importantes para o meio ambiente e para o mundo. A partir dessa porta aberta, que outras mulheres e meninas venham seguir o mesmo caminho, estudando desde a iniciação científica, chegando a pós-graduação e até mesmo pós-doutorado, formando novas pesquisadoras de sucesso”, declarou Brito.

Fonte: https://www.gov.br/inmetro/pt-br/centrais-de-conteudo/noticias/ pesquisadora-do-inmetro-ganha-premio-25-mulheres-na-ciencia 12/4/2024


25 Mulheres na Ciência Américas – 3M anuncia as vencedoras da edição 2024

A 3M anuncia as vencedoras da 4ª edição do “25 Mulheres na Ciência Américas”, iniciativa que busca destacar mulheres que promovam e desenvolvam projetos no campo científico. O Brasil é representado por 7 pesquisadoras de 6 Estados.

A edição deste ano trouxe duas novidades: a inclusão do Canadá e a temática sustentabilidade ambiental. Os projetos inscritos deveriam ter como propósito solucionar ou melhorar aspectos relacionados ao assunto em países da América Latina e Canadá.

A inciativa 25 Mulheres na Ciência Américas foi criada em 2020 e tem como objetivo ampliar a visibilidade das mulheres no campo científico e os impactos gerados na sociedade inspirando meninas, jovens e mulheres a estudar as disciplinas STEM (em português, Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática), além de reforçar a importância de sua participação em áreas majoritariamente dominadas por homens.

“Essa foi a forma que a 3M encontrou para continuar inspirando meninas, jovens e mulheres a estudar as disciplinas STEM, e mostrar a importância da diversidade para a inovação em áreas consideradas exclusivamente masculinas”, conta Marcia Ferrarezi, Gerente de P&D da 3M Brasil.

Confira a lista de vencedoras brasileiras e seus projetos:

  1. Adriana Ferreira da Silva / Londrina-PR
    PROJETO – Ensino, pesquisa e divulgação da aquicultura sustentável, com foco na tecnologia de bioflocos e processamento de pescado. Utiliza a técnica inovadora como ferramenta para promover a produção de organismos aquáticos de forma ambientalmente responsável.
  2. Camila Ferrara / São Paulo – SP
    PROJETO – Preservando tradições, Conservando vidas: Estratégias sustentáveis para o manejo e consumo de ovos de quelônios da Amazônia. O objetivo é garantir a conservação sustentável das populações de quelônios na Amazônia, promovendo simultaneamente a geração de renda e a melhoria da qualidade de vida das comunidades locais por meio de estratégias integradas.
  3. Gabriela Lujan Brollo / Jundiaí – SP
    PROJETO – Permitir a coleta segura e análise eficaz de pelotas verdes de minério de ferro na linha do processo industrial de pelotização, aumentando a eficiência do forno de queima das pelotas, reduzindo o consumo de gás combustível e as emissões de gases de efeito estufa (GEE) de um processo altamente emissivo e presente de forma extensiva na indústria, com potencial de escalabilidade promissor do impacto da solução.
  4. Joyce Araújo / Caruaru – PE
    PROJETO: Desenvolvimento de um método, patenteado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), para fabricação de nanoplacas de grafeno por meio de resíduos de biomassa com a geração de energia alternativa, tais como biogás ou biocombustíveis. Além da produção do grafeno, material revolucionário na indústria dos nanomateriais, devido à sua elevada área superficial, condutividade elétrica, térmica e resistência mecânica, desenvolvimento de projeto com pegada de carbono, devido à captura de dióxido de carbono (CO2) para produção de biogás.
  5. Marcia Foster Mesko / Canguçu – RS
    PROJETO: Uso de energias alternativas (ultrassom e micro-ondas) para o desenvolvimento de métodos ambientalmente amigáveis para determinação elementar, bem como processamento sustentável de arroz. O objetivo é disponibilizar métodos mais rápidos, exatos e precisos, com menor uso de reagentes tóxicos e redução da geração de resíduos, preconizando os princípios da química verde, visando a determinação elementar em diversas amostras, além de obter um alimento com melhor valor nutricional, e reduzir os impactos ambientais causados na etapa de processamento.
  6. Marcia Kafensztok / Rio de Janeiro – RJ
    PROJETO: A PRIMAR Aquacultura é a primeira fazenda de aquacultura orgânica certificada do Brasil (2003), com 31 anos de existência e cultivos de camarões, ostras, sementes de ostras e vocação para pesquisas, que são a base para criação do Instituto. O objetivo é buscar novas fontes de proteínas para alimentação humana, pesquisando organismos aquáticos estuarinos, mapeando seu processo reprodutivo, para depois reproduzi-lo em ambiente controlado e posteriormente cultivá-los em escala comercial, por meio da aquacultura orgânica e sustentável.
  7. Rosana Goldbeck / Mondaí – SC
    PROJETO: Processo integrado para produção de pectina, xilo-oligossacarídeos e energia a partir do aproveitamento sustentável de cascas de laranjas. O processo visa o desenvolvimento da economia circular por meio do aproveitamento integral e agregação de valor aos resíduos agroindustriais.

84% dos brasileiros concordam que as mulheres são uma fonte de potencial inexplorado na força de trabalho STEM, segundo dados do Índice do Estado da Ciência 2023 (SOSI, sigla em inglês para State of Science Index), pesquisa global da 3M que apresenta a percepção da população sobre as prioridades da 3M como equidade nas áreas de STEM, carreiras técnicas, sustentabilidade, saúde e inovação.

O estudo revela, ainda, que 97% das pessoas no País estão preocupadas com as consequências das mudanças climáticas, sendo que 80% temem que o aquecimento global, definido como “mudanças de temperatura ao longo do tempo”, fará com que as pessoas sejam deslocadas das suas casas. As condições climáticas que mais causam preocupação em relação ao deslocamento de moradias são ondas de calor (94%), secas (93%), incêndios (92%), inundações (89%) e aumento do nível do mar (87%).

As 25 vencedoras do programa receberão um troféu e a inclusão dos projetos no livro digital “25 Mulheres na Ciência 2024”, incluindo uma ilustração inédita desenvolvida para cada cientista e seu projeto.

Sobre a 3M

A 3M acredita que a Ciência ajuda a criar um mundo melhor para todos. Ao estimular o poder das pessoas, das ideias e da ciência para inovar de forma sustentável, nossos colaboradores em todo o mundo abordam de uma forma única as oportunidades e desafios de nossos clientes, das comunidades e do planeta. No Brasil, onde conta com cerca de 3,3 mil funcionários, a companhia mantém três fábricas localizadas no Estado de São Paulo, que compõem a 3M do Brasil, além da empresa 3M Manaus, instalada no Amazonas. Em 2022, a 3M atingiu faturamento bruto de R$5.1 bilhões no Brasil.   

Fonte: Redação TN com assessoria – @ disponível 12/4/2024

 

2 Comentários

  1. Parabéns Joice, isso deveria estar publicado em todos os jornais do Brasil, para que aventureiros saibam a importância do INMETRO e não mais queiram o destruir.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor, insira seu comentário!
Por favor, digite seu nome!